Maternidade

Veja: 5 dicas simples para ajudar seu filho a superar o medo

O medo é um mecanismo de defesa do organismo. Quando estamos numa situação de perigo, o corpo ativa um estado de estresse e adrenalina. Com essa energia podemos pensar em como escapar, fugindo ou enfrentando o que nos ameaça.

O problema é que, muitas vezes, algo produz um medo tão grande que nós ficamos paralisados e vivemos um tremendo estresse sem conseguir escapar da situação que nos ameaça.

As crianças podem ter esse tipo de crise porque ainda estão aprendendo a lidar com seus sentimentos e também porque às vezes elas têm contato com conteúdos (jogos, filmes, programas de televisão, etc) que são inadequados para sua idade.

Quando isso acontece, é preciso agir para desconstruir a figura ou pensamento que gera medo e fazer com que a criança se sinta mais segura.

Por que a criança sente tanto medo?

São muitos motivos que podem ser a causa do medo da criança. Ela pode se sentir insegura e não querer ir para a escolinha, pode ter medo de ficar sozinha num cômodo da casa ou até mesmo ter medo do escuro e ter dificuldade para dormir.

Isso acontece porque aos 4, 5 ou 6 anos a criança ainda está compreendendo sua individualidade e sua autonomia em relação às outras pessoas. Ver-se sozinha pode deixá-la com medo e insegura.

Estímulos como filmes de terror, games com personagens aterrorizantes em excesso também podem causar insegurança, porque a criança ainda não entende que aquilo não é real.

Para driblar esses medos e fortalecer a autoconfiança e autonomia do seu filho, existem alguns macetes que podem ser muito úteis. Confira:

1. Não ridicularize a criança:

É importante que você não ridicularize a atitude da criança rindo dela ou provocando o medo nela apenas para se divertir. Isso pode prejudicar a confiança da criança em você.

Também é essencial que você não negue o medo da criança, apenas dizendo para ela que não existe motivo para ter medo. Para que a criança entenda e não fique mais insegura, existem outras formas de fazer isso. Confira as outras dicas para saber:

2. Descubra a fonte do medo:

De onde vem o medo do seu filho? É uma figura, como um vampiro, um zumbi ou um monstro? Ou será que ele está com medo do escuro? Também pode ser o típico medo de estar sozinho e ficar desprotegido.

Converse com a criança amigavelmente e deixe que ela desabafe sobre o motivo do medo. Pergunte sobre os games, filmes e outros conteúdos que ela têm acesso.

3. Desconstrua o motivo do medo:

Quando você descobre o motivo do medo, pode criar situações para desconstrui-lo. Se o medo for causado por monstros ou outras figuras, procure assistir a filmes que quebram esses esteriótipos, como Monstros S/A, Hotel Transylvania, entre outros.

Se o medo for da distância ou de ficar sozinha, procure fazer atividades em que a criança perceba que mesmo que você não esteja presente fisicamente, você estará por perto ou virá caso ela precise.

Mais adiante, falaremos de algumas técnicas para desconstrução dos medos, então continue a leitura!

4. Retire os estímulos e converse com a criança:

Se os medos possuem como fonte um filme, um game ou outro conteúdo inadequado, procure retirar essa fonte para que a criança não tenha mais estímulos que causam medo. Converse bem com ela para explicar o porque que está restringindo o acesso àquilo, sempre com carinho e firmeza.

No caso do medo de ficar sozinho, vá introduzindo aos poucos essa distância, sempre se despedindo da criança e dizendo que você logo estará de volta. Também vale a pena conversar com ela enquanto ela está em outro cômodo, para tranquilizá-la.

Faça isso aos poucos e com cuidado, sempre acolhendo a criança quando ela ficar com muito medo.

5. Não force a criança:

Imagine que você tem medo de cobra. Digamos que você vai até um especialista para que ele te ajude a superar esse medo. Chegando lá, ele coloca você numa sala fechada e joga uma cobra lá dentro junto com você. Provavelmente essa “abordagem terapêutica” não funcionará e ainda te fará entrar em pânico, não é?

Com a criança é da mesma forma. Se ela tem medo do escuro, trancá-la no quarto escuro de uma hora para a outra não vai ajudar. Da mesma forma com outras formas de medo.

O mais adequado é ir conversando e expondo a criança aos poucos àquilo que ela tem medo. Até chegar uma hora que aquela figura não causa mais receio.

Veja algumas atividades que você pode fazer para diminuir o medo da criança:

Ensine sobre os barulhos do silêncio:

Uma atividade muito interessante para crianças que têm medos dos barulhos da casa é explicar para ela sobre cada um deles. O som do vento na janela, o tic-tac do relógio e todos os outros ruídos noturnos podem ser desmistificados. Procure envolver a criança numa história divertida sobre cada um destes ruídos para que ela perceba que não é nada de mais.

Crie uma história com a figura que dá medo:

Se seu filho tem medo de vampiros, faça uma atividade de descaracterização dessa figura. É simples, basta uma caneta, papel e imaginação. Peça para a criança descrever o vampiro que ela teme e vá desenhando-o com todos os detalhes que ela citar. Depois, conte uma história para a criança.

Por exemplo: diga que o vampiro precisa comprar uma roupa nova. Como ele vai fazer isso? Crie situações cômicas em que o vampiro ficaria constrangido ou ridículo e envolva a criança na história. Aos poucos, ela vai perdendo o medo e percebendo que o vampiro é um personagem do mundo da fantasia e que não deve causar medo.

Veja o que diz a psicóloga infantil Daniella Freixo:

Exercícios do cordão e da pedrinha:

O medo de ficar sozinho também é muito comum e faz parte do desenvolvimento da criança. Alguns passam por isso mais cedo, outros já demoram mais para superar essa fase. A psicóloga infantil Daniella Freixo sugere duas atividades para lidar com esse medo: o cordão dourado e a pedrinha.

Na atividade do cordão, você vai precisar de um rolo de barbante. Dê o rolo para a criança e fique segurando a pontinha. Enquanto a criança percorre toda a casa, peça para ela puxar o cordão. Quando ela fizer isso, você puxa de volta. Assim, ela percebe que vocês estão conectados mesmo que distantes.

A fase seguinte é fazer a mesma coisa, mas com o cordão imaginário do amor. A criança vai percorrer a casa sozinha e sentir que você está por perto.

A atividade da pedrinha, é dar uma pedrinha ou qualquer outro objeto para simbolizar você e o amor que você sente pelo seu filho. Ele deve levar a pedrinha por onde for e sempre que se sentir inseguro ou com saudade, deve pegar a pedrinha e sentir o amor que há entre vocês, apesar da distância.

Confira o vídeo completo da especialista sobre o assunto:

 

O medo é um sentimento normal e deve servir de alerta para que sejamos cautelosos e nunca como uma barreira intransponível. E isso serve para tudo em nossa vida.

Quer saber mais sobre a criação dos filhos? Confira:

/* ]]> */