Maternidade Nutrição

Alimentação da mãe causa cólica no bebê: Mito ou realidade? Confira!

Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

Toda mãe ouviu pelo menos uma vez, durante os primeiros três meses depois do parto, que ela não podia comer isso ou aquilo porque ia causar cólica no bebê. As restrições podem ser as mais variadas, dependendo de que dá o palpite: desde doces, carne vermelha e refrigerante, até alimentos conhecidos por causar gases, como repolho e cebola.

Mas será que isso é verdade?

Neste artigo, explicaremos mais sobre como os alimentos que a mãe come podem interferir no bem estar do bebê e mostraremos o que dizem os especialistas sobre o assunto.

Alimentação da mãe causa cólica no bebê?

Por mais que a gente queira ter uma resposta certeira a esta pergunta, infelizmente, nem os especialistas podem dizer com certeza se existe relação entre a alimentação da mãe e a cólica do bebê. Na verdade, não existe consenso entre os médicos nem quando eles tentam explicar as causas da cólica do bebê.

Há pesquisa mais antigas que relacionam a cólica à imaturidade do sistema digestório do bebê, que acaba sofrendo mais para digerir o leite, seja ele o materno ou o artificial. Se pensarmos por esse lado, faz muito sentido que haja relação entre o que a mãe come e o que o bebê sente.

Alimentos que merecem atenção:

Uma das pesquisas que tentou comprovar que algum tipo de alimento interfere diretamente na cólica do bebê foi um estudo realizado por Kulczycki em 1991. Neste estudo, analisou-se o leite de 59 mães de bebês recém-nascidos que se alimentavam apenas de leite materno.

Verificou-se que o leite materno das mães dos bebês que tiveram cólica apresentava uma concentração maior de um anticorpo chamado imunoglobulina bovina (IgG). Esse anticorpo está presente no leite de vaca e seus derivados. Por isso, é possível que o leite de vaca, quando ingerido em excesso pela mãe, possa causar desconfortos gástricos no bebê.

Outro estudo, registrado nos Archives of Disease in Childhood, em 1986, constatou que, dos 19 bebês que mamavam apenas no peite, 13 não apresentaram mais as cólicas depois que suas mães pararam de tomar leite de vaca.

Veja também:

Outra pesquisa datada de 1996 publicada no Journal of the American Dietetic Association comprovou que a ingestão de alguns alimentos causam risco relativo de cólica. São eles:

  • leite de vaca;
  • cebola;
  • chocolate;
  • repolho;
  • brócolis;
  • couve-flor;
  • carne vermelha.

Muitas destas pesquisas possuem seus métodos questionados por outros profissionais. Primeiro porque a definição do que é cólica pode ser muito relativa de uma mãe para outra e até de um médico para outro. Outro possível problema é que uma crença inicial que o pesquisador possui de que um alimento causa cólica, pode influenciar na interpretação dos dados.

Mas, independentemente dessas discussões científicas, há algumas atitudes simples que você pode adotar para saber se algo que você ingere causa ou não cólica no seu bebê:

  1. Faça um diário de alimentação: anote em algum lugar de fácil acesso, tudo o que você come, principalmente os alimentos diferentes. Quando seu bebê tiver cólicas, dê uma olhada nas suas anotações para saber o que você comeu em maior quantidade ou se você comeu algo que não está acostumada a comer.
  2. Fique atenta ao bebê: fique atenta ao comportamento do bebê e perceba quais são os horários em que é mais comum que aconteçam as cólicas. Quando você souber quais são esses períodos sensíveis, crie uma rotina de relaxamento para manter o bebê mais calmo nesses momentos.
  3. Saiba mais sobre como lidar com as cólicas: mesmo que você diminua a ingestão de alguns alimentos, é possível que ainda assim aconteçam cólicas, por isso, saiba mais sobre como acalmar seu bebê.

Uma outra opinião:

Existem teorias mais recentes que dizem que o que interpretamos como cólica pode ser um período de adaptação do bebê à vida fora do útero. Neste período de adaptação, que vai até os três meses de vida, o bebê precisa de cuidados especiais para que não fique estressado pelo excesso de estímulos.

Neste vídeo, a Dra. Luciana Herrero explica mais detalhadamente que não existe uma resposta padrão sobre os alimentos que causam cólicas ao bebê, afinal, cada caso é um caso:

Para saber mais sobre essa teoria, confira estes dois artigos:

/* ]]> */