Decoração

Automação residencial: tecnologia a serviço da praticidade, conforto e segurança

Automação residencial
Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

Automação residencial não é coisa de ficção científica ou uma questão de luxo. Se antes esse conforto era acessível somente às pessoas com alto poder aquisitivo, hoje a tecnologia está conquistando cada vez mais espaço, valorizando os ambientes e ajudando a cortar custos.

O serviço já é uma realidade cada vez mais constante, especialmente após a chegada da automação wireless, entre outras novidades que evitam a quebra de paredes para adequar o local aos procedimentos de instalação das tecnologias.

Projetos de automação residencial podem ser inseridos em uma grande quantidade de construções. Além de apartamentos e casas, eles são aplicados em escritórios, hotéis, teatros, auditórios, prédios, galpões, salas de conferência e até sítios e fazendas.

Automação residencial dicas

Isto é, em qualquer lugar em que haja a necessidade de automatizar comandos e funções ou integrar sistemas.

Na verdade, o próprio conceito de automação para residências foi mudando com o tempo, resultando em inúmeras possibilidades de uso. Das soluções mais básicas às mais amplas, são processos práticos e econômicos utilizando sistemas de integração.

A ideia principal da automação residencial é deixar os cômodos mais funcionais, agradáveis, bonitos, valorizados e seguros. Tudo isso seguindo os interesses específicos dos usuários.

A automação compreende serviços conjuntos obtidos por meio de sistemas tecnológicos integrados para atender às necessidades elementares de uma habitação em quatro aspectos: gestão de energia, comunicação, segurança e conforto.

Os objetivos são: favorecer a qualidade de vida, reduzir o trabalho doméstico, aumentar o bem-estar, racionalizar o consumo de energia elétrica. Sendo que a evolução constante dos recursos tecnológicos empregados permite acrescentar novas aplicações com frequência.

Na Europa, por exemplo, o termo automação residencial é comumente chamado de “domótica”, uma vez que é mais abrangente. E ganhou força com a chegada dos computadores pessoais e da internet, o boom da telefonia móvel e outros recursos, fazendo aumentar a aceitação das tecnologias residenciais.

Aqui no Brasil é que usamos a tradução ao pé da letra de “home automation”, um conceito norte-americano mais restrito. É que se formos analisar bem a palavra automação ela não incluiria sonorização ou comunicação, por exemplo.

Para tornar o projeto uma realidade, são aplicados sistemas de controle automatizados em todas as funções dentro de um determinado ambiente.

Os acionamentos são integrados com foco na praticidade e na simplicidade dos comandos. Uma objetividade que também não dispensa a beleza, claro.

Saiba mais sobre automação residencial

Diante de tudo o que foi dito anteriormente, podemos chegar a um resumo sobre os sistemas tecnológicos que a automação residencial deve abranger:

  • Comunicações, que incluem tevê por assinatura, redes domésticas, telefonia e interfonia.
  • Instalações elétricas, que englobam além da iluminação, gestão de energia, cortinas e persianas, entre outros itens.
  • Operacional de segurança, ou seja, alarmes de intrusão, controle de acesso, monitoramento, circuito fechado de tevê e alarmes técnicos (vazamento de gás, fumaça etc.).
  • Sistemas multimídia, isto é, jogos eletrônicos, som ambiente, áudio e vídeo; vídeos, imagens e sons sob demanda.
  • Utilidades: bombas, aquecimento de água, climatização, irrigação e aspiração central.

O principal fator que define a automatização residencial é a integração entre sistemas somada à capacidade de realizar funções e comandos a partir de instruções pré-programadas.

Ainda há muito o que crescer neste mercado, pois a automação ainda é relativamente nova. Os primeiros passos nestas tecnologias de integração foram dados no fim da década de 1970, nos Estados Unidos, quando surgiram os primeiros módulos “inteligentes”.

Naquela época, os comandos eram enviados através da rede elétrica, em um processo chamado Power Line Carrier (PLC). Era algo simples para dar uma solução pontual como, por exemplo, ligar luzes de maneira remota. Na verdade, praticamente não havia integração.

E você, já ouviu falar ou possui automação residencial em seus ambientes? Deixe sua opinião!

Até a próxima!

/* ]]> */