Doenças Saúde

Cirrose: o que causa esta doença, e quais seus sintomas

Cirrose

A cirrose é uma doença crônica do fígado causada por infecções ou inflamação. Ela faz a glândula produzir tecido de cicatrização no lugar das células saudáveis que morrem. O resultado é fibrose e formação de nódulos que impedem a circulação do sangue.

O fígado é um órgão grande, com cerca de 1,5 kg, localizado abaixo das costelas, na porção superior direita do abdômen. É responsável por diversas funções essenciais à vida. Por exemplo: metabolização de toxinas, produção de proteínas, bile e colesterol; armazenamento de ferro, vitaminas e glicose; e síntese de fatores de coagulação.

Essa incrível glândula tem capacidade de regeneração quando agredida. Porém, se o ataque acontecer constantemente ao longo de anos, em vez de células hepáticas saudáveis, o processo de reparação dá origem a um tecido cicatricial.

É o caso da ingestão crônica e abusiva de álcool, que pode provocar cicatrizes em áreas importantes do fígado. Uma degradação que recebe o nome de cirrose.

Como o fígado é responsável pelo processamento dessa substância, se ele é exposto a doses excessivas de álcool, passa a sofrer danos em seus tecidos vitais.

Então, o órgão não consegue mais cumprir suas funções: produzir bile (um agente emulsificador de gorduras), auxiliar na manutenção dos níveis normais de açúcar no sangue, produzir proteínas, metabolizar o colesterol, o álcool e alguns medicamentos, entre outras.

Fatores que contribuem para o surgimento da cirrose

A cirrose pode ser originada a partir de qualquer situação na qual o fígado seja agredido de maneira prolongada. No entanto, o principal fator para esta condição aparecer é o alcoolismo, que vem fazendo crescer o número de portadores da doença no Brasil nos últimos anos.

Hepatites crônicas causadas pelos vírus B e C, uso de alguns medicamentos ou hepatite autoimune também podem ser causas de cirrose. Outros fatores de risco relacionados à doença são: algumas condições genéticas (Doença de Wilson, por exemplo) e cirrose biliar primária.

Lembrando que fator de risco é algo com capacidade de influenciar a chance de adquirir uma doença. Mas nem mesmo a presença de vários deles significa que alguém vai, definitivamente, desenvolver uma enfermidade.

O resultado de anos de agressões ao fígado leva à substituição do tecido hepático normal por um tecido fibroso e nódulos. No final das contas, a cirrose é cicatrização da glândula, e onde deveria existir tecido saudável, existe somente cicatriz (fibrose).

A cirrose acomete homens e mulheres, sendo mais comum no sexo masculino, a partir dos 45 anos.

Sintomas da cirrose: confira os principais

  • Ascite (quando existe líquido dentro do abdômen)
  • Constipação
  • Dor abdominal
  • Fadiga
  • Fígado aumentado
  • Icterícia (olhos e pele amarelados)
  • Inchaço – especialmente nas pernas
  • Náusea
  • Perda de peso, sem esforço
  • Queda de cabelo
  • Urina escura
  • Vômito

Importante: os sintomas descritos aqui têm caráter informativo, e são levantados a partir dos aspectos gerais – já conhecidos pela ciência – dos problemas. Apresentar um ou mais destes sinais não significa, necessariamente, que um indivíduo esteja com cirrose. E somente um médico pode dar diagnósticos e prescrever tratamentos.

A cirrose pode evoluir “silenciosamente” durante muito tempo, isto é, sem que a pessoa apresente sintomas.

Em situações mais graves, existe a possibilidade de ocorrer a encefalopatia hepática, uma síndrome que causa alterações no cérebro em função do mau funcionamento do fígado.

A cirrose é irreversível e pode ser fatal. O tratamento dela consiste em evitar ou adiar complicações mais sérias. Por isso, é fundamental fazer o diagnóstico o quanto antes.

O primeiro passo depois do diagnóstico é eliminar ou combater o agente agressor, dependendo do caso. Eles podem ser o álcool, as drogas ou vírus da hepatite. Em quadros avançados demais, o transplante de fígado às vezes é a única forma de cura definitiva.

Mantenha seus exames e consultas sempre em dia. E tire todas as dúvidas com seu médico.

Até a próxima!

/* ]]> */