Maternidade

Confira aqui: 8 dicas para criar filhos responsáveis

Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

A tarefa de criar os filhos é extremamente complexa. Ao nos tornarmos mães, inclusive, passamos por um processo de amadurecimento e compreensão de vários aspectos da vida que podem ser muito importantes, tanto para nós, quanto para o desenvolvimento dos nossos filhos.

Ninguém é perfeito, isso é fato. No entanto, existem algumas atitudes que podemos repensar e mudar para tornar o cotidiano com nossos filhos muito mais agradável e proporcionar uma base firme, para que nossas crias possam crescer mais independentes e responsáveis.

Neste artigo, confira algumas dicas essenciais sobre como criar filhos mais responsáveis com base na opinião de especialistas.

1. Cumpra com a sua palavra:

Nossa geração é de uma época em que os pais eram autoridade máxima, muitas vezes usavam da violência e não permitiam qualquer tipo de questionamento. Quando víamos nossos pais fazerem algo de errado ou o famoso “faça o que eu digo não faça o que eu faço”, não tínhamos a oportunidade de questionar isso.

Toda a postura incoerente em frente aos filhos impactam e muito a relação de respeito e autoridade. E o pior: vira exemplo. Segundo estudos de psicologia infantil, até os 6 anos de idade é o período de formação da personalidade da criança e dos 6 anos até a adolescência há o aperfeiçoamento dela, formando as características principais.

Por isso, seja a melhor versão de si mesmo e procure ser o exemplo para seus filhos. Caso algo dê errado, como um dia que você perder a paciência e gritar, por exemplo, sempre procure explicar o que aconteceu. Se errou, assuma e se desculpe.

Quando prometer algo a seu filhos, como um passeio, um tempo juntos, qualquer coisa: cumpra. Quando você não cumpre algo que prometeu a ele, inconscientemente você passa duas mensagens: sua palavra não é confiável, você não preza por seus compromissos. Isso dá margem para que ele aprenda que isso é normal e tende a agir dessa forma com você e com as outras pessoas.

Segundo a especialista Dani Stein, existem três partes principais na formação da personalidade da criança: o fator genético, o significado e a modelagem. Veja:

2. Divida as tarefas domésticas com todos da família:

Uma pessoa responsável não é apenas aquela que cumpre com sua palavra. Uma pessoa responsável também deve ser capaz de organizar e limpar os ambientes que habita, tanto no trabalho quanto em casa.

Ao dividir as tarefas da casa com todos da família, seu filho crescerá com a noção de que ele deve reservar um tempo do dia dele para essas tarefas. Futuramente, quando ele for morar fora, será muito mais fácil para ele se adaptar.

A primeira coisa que você precisa fazer é reunir todos da família para dividir as tarefas. Assim, não haverá desculpas para que cada um faça suas atividades corretamente.

Veja algumas dicas:

  • nunca use as tarefas da casa como punição, afinal, elas não são um castigo, mas sim a condição para uma vida mais organizada e produtiva;
  • delimite o horário das tarefas para antes do horário de lazer, para que eles queiram fazer rapidamente para brincar depois;
  • crie uma rotina, com tarefas todos os dias nos mesmos horários, para que eles acostumem com a ideia de ter que sempre manter a organização e a limpeza.

3. Saiba quais são as tarefas adequadas para a idade de seu filho:

Quando falamos de envolver os filhos nas tarefas domésticas, podemos ter dificuldade para estabelecer quais tarefas delegar para eles. Segundo a teoria montessoriana, criada por Maria Montessori, para que a criança tenha mais autonomia, é preciso que ela tenha seu próprio espaço e tenha acesso aos utensílios que precisa usar para cumprir sua tarefa.

Além disso, também é imprescindível que a criança seja estimulada desde cedo a cumprir algumas tarefas. No início serão coisas mais simples. Com o tempo, elas aprendem a fazer com facilidade e vão aumentando o repertório de coisas que sabem fazer.

Confira a tabela montessoriana com dicas de quais atividades as crianças podem fazer em cada idade:

Tabela Método Montessori

4. Não faça pelo seu filho o que é tarefa dele:

Essa é uma das partes mais difíceis. Primeiro porque quando eles estão aprendendo é difícil esperar pacientemente que eles façam uma tarefa super-simples num tempo absurdamente longo. Segundo porque às vezes eles não querem fazer e ficamos tentadas a fazer rápido e eliminar todo o tempo que levaria para convencê-los.

Não é à toa que um dos principais conselhos para novas mães é: tenha paciência. Vai dar muita vontade de acabar logo com a “enrolação” e fazer aquilo bem rápido. Mas é preciso respeitar o desenvolvimento do seu filho e o mais importante: dar oportunidades para ele aprender coisas novas.

Isso pode levar um tempo a mais mesmo e a única dica que posso te dar é: procure pensar que esse tempo é um investimento que trará mais tempo livre como retorno no futuro. Se precisar, pode desabafar nos comentário também, que eu estarei aqui para conversar.

5. Ensine seu filho a lidar com o dinheiro dele:

Ok, tecnicamente seu filho não possui um dinheiro dele ainda. Mas é possível fazer com que ele participe e entenda como se dá a decisão de compra das coisas, como você pesquisa os preços antes de comprar e também quais são as prioridades.

Gustavo Cerbasi, que é referência em educação financeira, conta neste vídeo algumas estratégias para familiarizar seu filho com o dinheiro desde pequeno: vocês podem ter um cofrinho, podem brincar de jogos que envolvem compra e venda, quando ele ainda é pequeno.

Conforme seu filho for crescendo, você pode ser mais claro em relação a como você toma as decisões e pode fazê-lo participar. Por exemplo, dar uma quantia de dinheiro para ele comprar algo que precisa, como uma peça de roupa, por exemplo, pode ajudá-lo a lidar com essas questões.

Confiram mais dicas do Gustavo:

6. Mostre a importância da coletividade:

Ninguém nesse mundo faz nada sozinho. Precisamos nos relacionar e socializar para viver bem e de maneira saudável. Neste caso, tanto o modelo quanto a convivência em grupo com pessoas além do círculo familiar são essenciais.

É na escola, com os amigos próximos, que vão se criar noções de coletividade. Nesse ambiente seu filho vai aprender a respeitar o que é de todos assim como ele já respeita o que está em sua casa. Procure sempre lembrá-lo de que o que é de todos deve ser cuidado assim como as coisas da sua casa.

Se puder, também conheça os amiguinhos de seu filho e estabeleça uma relação de companheirismo, respeito, confiança e autoridade com eles também. Criança aprende muito brincando, por isso, existem algumas brincadeiras que você pode estimular entre os pequenos que reforçam o pertencimento ao coletivo e o respeito aos outros.

Veja algumas dicas de brincadeiras para estimular as crianças de 4 e 5 anos:

7. Converse com seu filho e estabeleça regras:

A hora de impor limites aos filhos é outro momento delicado. A criança ainda está aprendendo a lidar com as próprias emoções e dizer não pode causar conflitos e estresse.

No entanto, estabelecer limites, regras e rotina são importantes para que seu filho cresça com uma boa noção das responsabilidades. Para estes momentos, uma dica básica é agir com firmeza e respeito, delimitando o que pode e o que não pode com firmeza, porém, sem perder o respeito.

Neste vídeo incrível, você pode aprender 3 palavras mágicas para estabelecer limites para seu filho: coerência, constância e bom-senso.

Lembre-se sempre de conversar com seu filho, ouvi-lo e entender as vontades dele para, a partir daí, explicar os limites e estabelecê-los. Quando isso é feito numa conversa, fica mais fácil para ele acatar quando você chamar a atenção dele por ele estar fazendo errado.

8. Faça elogios eficientes:

Elogiar a criança o tempo todo não faz bem. Sabe por que?

Uma pessoa responsável e equilibrada, com certeza, possui uma boa auto-estima. Entretanto, ao contrário do que nós costumamos pensar e reproduzir, o elogio constante e sem critério não ajuda a deixar a criança confiante.

No lugar de elogiar características natas da criança, como beleza e inteligência, por exemplo, o mais eficiente é elogiar as ações que fazem parte do processo de aprendizado da criança. Então, não diga “Como você é inteligente! Tirou uma nota boa!”. Procure dizer: “Parabéns, você estudou e se esforçou bastante para tirar uma nota boa! Bom trabalho!”.

Veja a explicação completa do Dr. Daniel Becker:

Se você gostou das dicas do Dr. Daniel, confira também essa entrevista maravilhosa que ele nos deu sobre como lidar com a birra:

Espero que este artigo tenha te ajudado a repensar e transformar sua maneira de lidar com seus filhos de maneira positiva!

Até a próxima!

/* ]]> */