Nutrição

Histidina: como ela age nos músculos e no corpo como um todo

Existem aminoácidos essenciais, não essenciais e semiessenciais. A histidina pertence ao terceiro grupo, pois geralmente os seres humanos sintetizam doses ideais dela, exceto em fase de crescimento.

A histidina atua como precursora da histamina, um complexo disponibilizado pelo sistema imunológico durante um processo alérgico. A histamina ajuda a regular as respostas inflamatórias de nosso corpo.

A histidina serve ainda para combater doenças circulatórias, especialmente as do sistema cardiovascular, uma vez que é um ótimo vasodilatador. Além disso, auxilia na redução da acidez estomacal, diminuindo náuseas e a sensação de queimação, principalmente nas grávidas.

Embora seja um aminoácido produzido naturalmente pelo organismo, a histidina aos poucos vem conquistando mais espaço na dieta dos praticantes de exercícios físicos por causa de sua participação na síntese de carnosina.

A formação da carnosina acontece na combinação de histidina e beta-alanina. É um dipeptídeo encontrado no tecido muscular esquelético, coração e cérebro – presente em maior quantidade nas fibras musculares de rápida contração.

Uma das funções da carnosina é evitar lesões musculares e acelerar a recuperação depois dos treinos. Ela também estimula a dilatação dos vasos sanguíneos, favorecendo um aporte maior de nutrientes para os músculos.

O retardamento da fadiga ocorre porque a carnosina ajuda a reduzir os níveis de acidez, que é provocada devido à liberação de ácido lático durante os exercícios de alta intensidade.

Mais detalhes sobre os principais benefícios da histidina

 

A histidina é atuante no crescimento e regeneração de vários tecidos, não somente o muscular. Este aminoácido age ainda na manutenção das células do cérebro, além de ser convertida em histamina, um composto importante para as nossas respostas imunológicas.

E tem mais! A secreção de ácido gástrico, a proteção celular contra danos oriundos de metais pesados e radiação, e a melhora das funções sexuais estão também entre benefícios da histidina.

Pesquisas revelam que a histidina pode auxiliar em casos de artrite reumatoide. Tomar o aminoácido é capaz de melhorar os sintomas da doença porque normaliza o nível dele, que é baixo em pacientes com esta condição.

Não custa nada lembrar que o conteúdo deste post tem função de informar. Apenas um médico pode decidir o que é melhor para cada pessoa e prescrever tratamentos de acordo com a situação específica.

Os profissionais de saúde são os únicos aptos a recomendar o uso de substâncias para tratar doenças, avaliando inclusive o risco de interações entre medicamentos.

A maioria das pessoas não precisa de suplementos como a histidina, pois, em condições normais de saúde, a dieta costuma ser suficiente para suprir a quantidade necessária do aminoácido para que o corpo funcione bem.

Mas onde encontrar a histidina na alimentação? Em peixes, carnes vermelhas e frango; laticínios, nozes, cereais integrais, leguminosas, ovos.

Ou seja, as melhores fontes incluem alimentos ricos em proteínas. Porém, a histidina está disponível ainda no centeio, cevada, trigo integral, castanha-do-pará, castanha-de-caju, cacau, ervilha, feijão, cenoura, beterraba, batata, nabo, mandioca e berinjela, entre outros.

Um detalhe importante: se o peixe não tem boa conservação, as bactérias costumam transformar a histidina em histamina, podendo provocar envenenamento nos seres humanos devido alto nível desta última substância.

A ingestão diária recomendada de histidina é de 10mg/kg, o que corresponderia a 600 mg para um adulto de 60 kg, por exemplo.

Por ser obtida via alimentação e também pela produção do organismo, a menos que você tenha aconselhamento médico, não é preciso fazer suplementação com histidina.

No caso das crianças, nem sempre elas conseguem suprir todas as necessidades deste aminoácido somente através da síntese interna.

Os aminoácidos são “blocos” que formam as proteínas. A manutenção de seus níveis adequados faz toda a diferença em nossa vida, em diversos sentidos e etapas. Entretanto, convém não abusar no consumo deles. Tudo em excesso pode fazer mal.

Cuide-se! Até a próxima…

/* ]]> */