Saúde

Hormônios que engordam: conheça os inimigos da boa forma

Hormônios que engordam
Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

Muita coisa pode estar por trás da dificuldade de perder peso. Existem até hormônios que engordam. Por isso, nada de desanimar! Encontrando a causa, você pode dar a volta por cima e conquistar um corpo mais sequinho.

Hormônios são substâncias químicas que atuam diretamente nas funções de nossos órgãos, e podem, sim, interferir no resultado que vemos na balança e nas roupas.

Tanto a deficiência hormonal quanto o excesso podem levar ao ganho de uma silhueta mais curvilínea. Somados a fatores como estilo de vida/ alimentação e genética, os hormônios são responsáveis por problemas como sobrepeso e obesidade.

Veja exemplos de hormônios que engordam:

Cortisol

Ninguém merece um hormônio que é do estresse e ainda pode incrementar o excesso de peso. Para completar a situação, ele deixa nosso corpo propenso a estocar gordura no abdômen. Aff…

Lembrando que, em momentos de tensão, ansiedade ou estresse, a tendência é atacar principalmente aquelas gostosuras cheias de açúcar, gordura e, claro, calorias.

Estrógenos (ou estrogênios)

Promovem a retenção hídrica e o inchaço. A retenção de líquidos é mais comum a partir da segunda metade do ciclo menstrual. Por isso, meninas, moderem no sal, gordura, e caprichem nos legumes e alimentos integrais.

A pílula anticoncepcional feita à base de estrógeno favorece o problema e contribui para o ganho de uns quilinhos.

Em alguns casos, o estrógeno pode alterar o metabolismo, fazendo com que a pessoa fique menos saciada. Isto é, interfere na questão da gula, que ocorre quando comemos sem necessidade. Já fome é a sensação de estômago vazio, de que é preciso comer.

A dica é conversar com o seu gineco e pedir um contraceptivo que contenha progesterona.

GH (hormônio do crescimento) e Grelina (hormônio da fome)

Os dois estão ligados ao aumento da gordura corporal, sendo que o hormônio da fome é especialmente atuante no sobrepeso em longo prazo e por meio do desagradável efeito rebote.
Um dado interessante é que o nível destes hormônios na corrente sanguínea sobe antes das refeições e cai enquanto comemos.

Hormônios da tireoide

Eles são essenciais, pois agem no metabolismo. Mas quando há queda na atividade deles, queimamos menos calorias. E o resultado aparece: ganho de peso sem razão evidente.

Falando ainda em estrógeno…

Você sabia que seus quilos a mais podem ser culpa da poluição, dos produtos químicos que usa para limpar a casa ou para ficar mais bonita? Sim, existe uma teoria de que pelo menos uma porção do seu peso extra tem a ver com tudo isso.

É que certos produtos e o ar poluído possuem um elemento semelhante ao estrogênio, chamado de estrogênio ambiental. A substância acaba sendo absorvida pelo corpo humano – e quanto maior a quantidade dela, mais danos. O que termina prejudicando o emagrecimento.

A teoria é do americano Ori Hofmekler, autor de “A Dieta Antiestrogênica”, livro que ainda não foi traduzido aqui no Brasil. O estrogênio, na opinião de Hofmekler, é um “veneno”, mas certos alimentos podem combater esse hormônio-vilão-ambiental. Peixes, alho, cebola e brócolis, por exemplo.

Alimentação balanceada é tudo! Por via das dúvidas, não deixe faltar estes aí…

Concluindo…

Além dos hormônios encontrados em nosso organismo, quando o médico prescreve um remédio, é a saúde que está em primeiro lugar. No entanto, alguns deles trazem efeitos desagradáveis como o ganho de peso, por causa do aumento da fome.

Mas não é uma boa ideia parar com o tratamento em função da estética. E também não quer dizer quer todas as pessoas engordarão ao tomarem certos medicamentos conhecidos por tal reação adversa.

Em muitos casos, é possível substituir o produto que está causando uma consequência indesejada em um paciente. Converse sempre com seu médico e busque a melhor saída para manter sua saúde – e beleza – em dia. Só ele tem as respostas que você procura, e merece!

Até breve!

/* ]]> */