Maternidade

Moleira: 6 fatos sobre essa região tão sensível dos bebês

Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

A moleira é alvo de muitos comentário das mulheres mais experientes da família, como avós e tias, que comentam vários detalhes e dão muitos palpites. Como saber filtrar esses comentários?

O primeiro passo para não se apavorar com palpites e histórias de outras pessoas é se informar muito bem sobre quais são os mitos e verdades sobre a moleira ou fontanela.

Neste artigo, veja 6 fatos sobre a moleira e também confira dicas de cuidados com essa região tão sensível dos bebês.

O que é a moleira, afinal?

A moleira ou fontanela é uma abertura natural na estrutura óssea do crânio do bebê coberta por cartilagem e couro cabeludo. Ela ocorre porque os ossos da cabeça do bebê ainda não estão completamente formados. O crescimento e desenvolvimento do bebê está relacionado à moleira e ao perímetro cefálico.

Entenda mais sobre a moleira:

1. O bebê nasce com duas moleiras:

São duas moleiras que o recém-nascido possui. Uma é no alto da cabeça e possui um formato triangular, ela é menor e praticamente imperceptível, possui apenas meio centímetro.

A moleira que fica um pouco acima da testa do bebê é a mais conhecida e também é a mais fácil de perceber. Ela possui o formato de um losango e cerca de 2,5 cm de abertura.

2. A moleira ajuda no parto natural:

A moleira ou as fontanelas fazem com que a cabeça do bebê seja mais maleável, para que passe mais facilmente pelo canal vaginal. Inclusive, alguns bebês nascem com a cabeça num formato assimétrico, apresentando algumas deformações causadas pela passagem do bebê pelo canal do parto.

Esses casos de cabeça um pouco torta são normais, embora sempre seja aconselhável conversar com o pediatra sobre o assunto nas consultas de rotina. Mais adiante daremos algumas dicas sobre como lidar com a cabeça torta, tanto para prevenção quanto para tratamento.

3. A moleira não deve ser apertada em hipótese alguma:

A moleira é uma região delicada e sensível do bebê, pois é um local no qual a calcificação do crânio ainda não é completa. No entanto, não significa que o cérebro do bebê está completamente desprotegido.

O local da moleira possui tecidos membranosos e o couro cabeludo, então é permitido pentear o cabelo do bebê e passar a mão levemente. É preciso tomar mais cuidado com traumas que podem ser causados por descuido ou falta de atenção a essa região.

É preciso evitar qualquer pressão forte ou batida no local, pois isso pode ser muito danoso ao bebê.

4. Caso a moleira esteja baixa, pode indicar desidratação do bebê:

Quando o clima está mais quente, é normal que a moleira fique um pouco mais baixa que o normal.

A moleira muito baixa, em conjunto com outros sinais, pode ser desidratação do bebê. Em casos de desidratação, o bebê apresenta alguns outros sintomas:

  • lábios ressecados: geralmente, após mamar a boca do bebê fica bem hidratada, podendo ficar até esbranquiçada por conta do leite, atente para se o bebê apresenta os lábios ressecados ou mais secos que o normal;
  • olhos fundos: olheiras mais perceptíveis e aparência de abatimento no bebê;
  • urina mais densa e em menor quantidade: se ele estiver fazendo menos xixi e ele estiver mais concentrado, com a cor mais escura e o odor mais forte;
  • ausência de lágrimas: se ele não produz muitas lágrimas ao chorar;
  • sonolência: o bebê dorme por mais tempo e parece abatido.

É importante amamentar o bebê sempre que ele tiver vontade, para evitar que ele receba menos leite do que precisa. Bebês antes da introdução alimentar, que ocorre aos 6 meses, precisam apenas do leite materno para se hidratarem, por isso, é importante amamentar o bebê ou oferecer a fórmula sintética sempre que ele apresentar sinais de necessidade de mamar.

Em casos de suspeita de desidratação de bebês, procurar auxílio médico imediatamente.

5. A moleira pulsar quando o bebê está chorando é normal:

A pulsação da moleira é normal, principalmente quando o bebê chora, porque ela indica a pressão arterial do cérebro do bebê. Por isso, apenas a pulsação da moleira não indica um quadro de doença.

No entanto, caso o bebê apresente outros sintomas, como febre e prostração, por exemplo, é indicado procurar um médico.

6. Cranioestenose, a doença da moleira que fecha antes da hora:

Outra função da moleira, além da maleabilidade da cabeça para o parto normal, é a possibilidade de crescimento e desenvolvimento do cérebro.

Isso ocorre porque o crânio do bebê é formado por placas ósseas, chamadas de fontanelas. Entre uma placa e outra há uma ligação feita de um tecido fibroso, que é a moleira. Graças a essa área mais maleável, a cabeça do bebê pode crescer e acomodar o cérebro e seu crescimento.

Até o segundo ano de vida, o cérebro do bebê irá se desenvolver muito. É o período da vida em que todo seu corpo amadurece e se estrutura para chegar à vida adulta.

Por isso, até cerca de 18 meses, o bebê ainda possui a moleira, pois o processo de calcificação é tão demorado quanto o crescimento e desenvolvimento do cérebro do bebê.

Caso a moleira se feche antes do tempo, isso pode dificultar o desenvolvimento do cérebro do bebê. Por isso, é essencial fazer um acompanhamento com um pediatra.

 

 

Dicas para evitar a plagiocefalia ou cabeça torta:

Quando a cabeça está mais maleável, é possível ainda diminuir alguma assimetria do formato da cabeça do bebê. Para evitar que a cabeça do bebê fique torta, até os 3 meses de vida, é possível adotar algumas ações simples:

  • sempre varie as posições do bebê: faça um revezamento da posição da cabeça dele na cama, nunca deixe que ele fique tempo demais numa mesma posição.;
  • carregue o bebê no colo: ao carregar o bebê, você evita que ele fique com a cabeça sendo pressionada pelo colchão sempre na parte de trás;
  • use carregadores ergonômicos: existem vários tipos de slings que ajudam a alternar posições para modelar a cabeça do bebê, além de aliviar a dor nos braços;
  • coloque-o de bruços: a posição de bruços é ótima para fortalecer a estrutura muscular das costas e braços do bebê, além de ajudar a moldar um formato mais homogêneo, sempre esteja por perto quando ele estiver de bruços pois essa posição é mais suscetível a sufocamentos.

A moleira deixa muitos pais inseguros, sobretudo com os palpites alheios, por isso é sempre bom estar muito bem informada para se sentir segura e saber quando deixar que um comentário entre por um ouvido e saia pelo outro.

Falando em se informar, você já sabe quais são as vacinas que seu bebê deve tomar? Veja aqui 5 aplicativos para controlar o calendário de vacinação de seu bebê.

/* ]]> */