Doenças Saúde

Varizes: conheça as causas, sintomas e tratamentos

Siga nosso dia-a-dia no insta! Clique aqui para acessar nosso perfil.

Quem nunca ouviu falar em varizes? Tratam-se de veias que, por uma alteração no fluxo sanguíneo da região (longos períodos em pé ou sentado, por exemplo) dilatam-se e tornam-se insuficientes em termos de circulação. Ao contrário do que muita gente pensa, não representam um problema somente estético. Podem causar dores e aumentar o risco de doenças circulatórias.

Causas

varizes-3

Podem ocorrer em quaisquer veias do nosso corpo, mas o mais comum é a incidência nas pernas e pés. Antes de mais nada, é necessário ter em mente que, embora não seja regra, fatores genéticos influenciam o surgimento de varizes. Isso se dá, na maioria das vezes, porque veias frágeis podem ser uma característica herdada de sua família e elas estão mais propensas à dilatação com o passar dos anos.

Além disso, estudos apontam uma maior incidência em indivíduos do sexo feminino, principalmente durante a gravidez ou se estiverem muito acima do peso. Entretanto, as varizes que surgem durante a gestação tendem a normalizar-se dentro de 3 meses a 1 ano após o parto. Pessoas que passam muito tempo em pé no mesmo lugar também costumam ser mais afetadas.

Outras doenças mais sérias também podem estar ligadas ao surgimento das varizes, como problemas no fígado, insuficiência cardíaca ou líquido abdominal. Histórico de fístulas e trombose também costumam agravar os riscos.

Danos em veias mais profundas coágulos sanguíneos e alguns tipos de tumores também agravam os riscos do surgimento de varizes. Se você faz parte do grupo de risco, fique atento aos sinais do seu corpo. Mesmo para quem já sofre com o problema, praticar exercícios físicos regularmente e usar meias de compressão costumam ajudar a aliviar os sintomas e evitar que o quadro evolua para problemas mais graves.

A prevenção pode ser feita através de um estilo mais saudável de vida, ingestão de fibras, prática de exercícios e redução do consumo de sódio (sal). Evitar usar saltos muito altos, calçados muito apertados e permanecer por muito tempo na mesma posição também são medidas preventivas cabíveis. Se você já tem predisposição genética a ter varizes, eleve as pernas sempre que possível.

varizes-nas-pernas

Sintomas

Os sintomas podem variar muito de pessoa para pessoa. Há aqueles que não sentem nenhum incômodo, apenas notam o aparecimento das veias volumosas e tortuosas sob a pele. Mas há casos em que as pernas incham, coçam, doem ou ardem, sintomas que normalmente vêm acompanhados de uma sensação de peso nas pernas ao final do dia. Nos casos mais severos, podem ocasionar a retenção de líquidos, principalmente nos membros inferiores. O inchaço, nestes casos, vem acompanhado de dores severas, escurecimento e ressecamento da pele ao redor dos tornozelos.

Relatos confirmam que quaisquer sintomas tendem a agravar-se no período menstrual, já que os níveis hormonais do corpo mudam nessa época.

dores-das-varizes

Tratamento

Quaisquer alterações consideráveis em nosso organismo, como o aparecimento de varizes, por exemplo, pressupõem a necessidade de procurar um médico, que irá solicitar os exames necessários para o diagnóstico e tratamento. O clínico geral irá encaminhá-lo a um angiologista ou cirurgião vascular que é o profissional que fará o diagnóstico, baseado em exames e em seus precedentes.

Sendo assim, já vá para a consulta com algumas informações em mente, pois o médico perguntará sobre os sintomas que você apresenta e há quanto tempo eles começaram a surgir, as dores e se há algo no seu dia a dia que melhora ou ameniza os sintomas.

Tenha à mão também uma listagem dos medicamentos de uso contínuo que você ingere. O médico investigará poderá fazer perguntas relacionadas aos fatores genéticos que o levaram ao desenvolvimento do problema. De qualquer forma, procure ser o mais sincero e claro nas respostas, pois um bom diagnóstico é o que ajudará na indicação do tratamento adequado que o levará a uma recuperação tranquila.

Após fazer essa análise primária dos sintomas, o médico fará um exame físico, referente ao aspecto da pele onde se localizam as veias. Também observará sinas de inchaço, úlceras na pele e solicitará que faça alguns movimentos com as pernas e pés para observar as alterações que ocorrem neste quadro. Se ainda assim, a suspeita de que o seu problema seja varizes persistir, o médico pedirá exames complementares e mais apurativos, como Ultrassom Doppler Venoso Colorido das pernas para confirmar o diagnóstico.

varizes-1

É também nessa primeira consulta que você poderá tirar todas as suas dúvidas, relacionadas às possíveis causas, conciliação com o tratamento de outras doenças crônicas e restrições e medidas que devem ser adotadas para amenizar o inchaço e o incômodo. Não fique receoso quanto a perguntar, pois o profissional está ali para orientá-lo e fazer o melhor para a sua saúde. Mas isso só será possível se você estiver realmente disposto a tomar as medidas necessárias para potencializar os efeitos do tratamento.

Nos casos mais leves, a mudança de pequenas atitudes no cotidiano podem fazer toda a diferença. Controle do peso, exercícios físicos regulares, uso de roupas mais leves, aliados a evitar permanecer em pé na mesma posição por muito tempo e elevar as pernas sempre que possível podem aliviar os sintomas e evitar complicações futuras.

Existem também meias de compressão que facilitam o retorno venoso, mas observe bem a marca ao comprar, pois elas devem ser firmes e comprimir suavemente, nunca apertadas demais. Existem também alguns medicamentos de uso contínuo que costumam ser prescritos, mas que jamais devem ser tomados ou ter o seu uso interrompido sem orientação médica.

Caso você arranhe ou corte a perna sobre uma dessas veias, o ideal é pressionar o local com um curativo limpo para estancar o sangramento. A pressão deve durar 15 minutos e, caso continue sangrando, é possível repeti-la por mais uma ou duas vezes. Muito cuidado também com ulcerações da pele, coágulos e infecções da pele.

Se o seu caso for mais severo, pode ser que você precise de um tratamento mais direcionado, como escleroterapia ou até mesmo cirurgia, que pode ser a laser, radiofrequência dentre outras modalidades. O importante é ter sempre em mente que, quanto mais cedo diagnosticado, mais fácil e eficaz será o tratamento.

Comentar

/* ]]> */