Doenças Saúde

Vertigem: sintomas, causas e tratamentos

Vertigem

A vertigem é uma sensação de instabilidade, de forte tontura causada pela perda de equilíbrio. Surge de repente, acompanhada por náuseas e/ou vômito.

Esta tonteira ou percepção de desfalecimento pode vir também com zumbido no ouvido e perda rápida de consciência. Como se a pessoa não tivesse o controle sobre si mesma por alguns instantes.

Geralmente, a vertigem é desencadeada ao mover a cabeça. Uma de suas formas acontece como se as coisas girassem em torno de nós; outra é caracterizada pela impressão de nós mesmos estarmos girando. Ou seja, é uma ilusão do movimento do corpo ou do ambiente.

Há também quem sinta sintomas do tipo estar sendo empurrado ou jogado para o espaço, ou a ilusão visual de ir para frente e para trás.

Pessoas com vertigem costumam descrever os desconfortos provocados por ela de maneira imprecisa, vaga. Elas usam expressões e termos como: “dupla visão”, “fraqueza”, “tontura”, “perda de sentidos”, “ficar zonzo” etc.

Outros sintomas que podem acompanhar a vertigem: enjoo, dor de cabeça, suor, movimentos oculares irregulares ou espasmos, e perda de audição.

E ainda: sensação de movimento giratório, oscilação, inclinação, como ser puxado a uma direção.

Eles podem durar minutos, horas ou dias, assim como aparecer e sumir sem motivo aparente.

Muitas vezes, esta condição é consequência de um problema no ouvido interno. A Doença de Ménière é um deles, sendo causada por acúmulo de fluído e alteração na pressão local.

A labirintite é outro distúrbio do ouvido interno, geralmente ligado a uma infecção viral. Esta, por sua vez, causa inflamação em torno dos nervos que são fundamentais no equilíbrio de sentido do corpo.

As causas mais comuns de vertigem são divididas em centrais e periféricas. Aqui está o resumo delas:

  • Cisto epidérmico no ângulo cerebelopontino
  • Distúrbios metabólicos
  • Doença de Ménière
  • Doenças autoimunes
  • Encafalomielite parainfecciosa
  • Enxaqueca
  • Epilepsia complexa parcial ou do lobo Temporal
  • Esclerose múltipla
  • Fístula perilinfática
  • Hipotireoidismo
  • Insuficiência vascular
  • Labirintite
  • Meningioma
  • Meningite granulomatosa
  • Neurite Vestibular
  • Neuroma acústico
  • Otites ou Otomastoidite bacteriana crônica
  • Polineurite craniana parainfecciosa
  • Sífilis
  • Síndrome de Ramsay-Hunt
  • Traumas cranianos
  • Uso de antibióticos aminoglicosídeos
  • Vasculite cerebral
  • Vertigem cervical
  • Vertigem posicional paroxística benigna

Como é o tratamento da vertigem

O tratamento é voltado para a causa, além de alguns remédios que aliviam os sintomas, tais como sedativos e antieméticos.

Pode ser necessária também cirurgia em certos casos, como os de fístulas perilinfáticas, doença de Ménière intratável com medicamentos ou tumores acústicos, por exemplo.

Em muitos pacientes, a vertigem simplesmente desaparece sem nenhum tratamento, pois o cérebro consegue, pelo menos em parte, ter boa adaptação às mudanças do ouvido, apoiado em outros mecanismos para manter o equilíbrio.

O tratamento da vertigem pode incluir a reabilitação vestibular – uma espécie de fisioterapia para ajudar a fortalecer o sistema. A tarefa do aparelho vestibular é mandar sinais ao cérebro em relação aos movimentos do corpo e cabeça associados à gravidade.

Vertigem é uma das reclamações mais comuns entre os que buscam ajuda médica, embora em muitas situações não seja possível identificar exatamente sua causa. As razões são a complexidade do mecanismo de equilíbrio e múltiplos fatores que, combinados, desencadeiam o problema.

No segundo caso, é necessário acompanhamento de vários especialistas para investigar a fundo todas as hipóteses.

Infelizmente, crises de vertigem nem sempre recebem a devida atenção. Elas acabam sendo atribuídas por muita gente ao estresse diário ou a uma noite ruim. A vertigem possui vários significados, e eles podem ser sinais de algo mais sério que precisa ser avaliado e tratado.

Espero que o artigo de hoje possa auxiliar na manutenção do seu bem-estar.

Consulte sempre seu médico para esclarecer suas dúvidas.

Cuide-se! Até a próxima…

/* ]]> */