Beleza Estética Pele

Ácido mandélico: Benefícios, cuidados e como usar

Ácido mandélico

O ácido mandélico é um ativo que se destaca quando o assunto é clareamento de manchas e combate ao fotoenvelhecimento.

Ele é um AHA – alfahidroxiacido – retirado das amêndoas amargas e é menos irritativo que os outros ácidos da família, como o glicólico ou o retinóico. Além disso, é menos fotossensível e indicado para pessoas que necessitam tratar a pele o ano todo, inclusive no verão.

Quer saber mais sobre o ácido mandélico? Confira neste post tudo sobre esse ativo e conquiste uma pele linda e saudável.

O que é e como funciona o ácido mandélico?

Como dissemos acima, o ácido mandélico é um ativo da família dos alfahidroxiacidos, derivado do extrato de amêndoas amargas, de maior peso molecular e absorção mais lenta, o que proporciona um efeito mais suave e uniforme sobre a pele.

É um ativo despigmentante que promove o clareamento de manchas ocasionadas pelo sol, alergias e até pelo atrito causado pelos métodos depilatórios. Também é eficaz no tratamento de melasma.

O ácido mandélico promove a remoção de células mortas da superfície da pele, através da descamação, estimulando a renovação celular que dá origem a novas células saudáveis. O resultado é uma pele lisa, uniforme, com mais firmeza e elasticidade.


Está presente na composição de diversos produtos cosméticos, em fórmulas de manipulação e em tratamentos estéticos como o peeling, por exemplo.

Em produtos cosméticos comuns, a concentração de ácido mandélico gira em torno de 6%. Já em produtos indicados por dermatologistas e feitos em farmácias de manipulação, a receita costuma ser de 3% de ácido mandélico para renovação celular, 5% para esfoliar a pele e 10% para rejuvenescimento. Em procedimentos estéticos, utiliza-se este ativo em concentrações superiores, a partir de 30%.

Indicações de uso do ácido mandélico

O ácido mandélico é indicado para clareamento de manchas na pele dos mais diferentes tipos, como melasmas, hiperpigmentação, manchas decorrentes de acnes, exposição solar, depilação e até alterações hormonais.

Também tem efeitos positivos na diminuição de sinais da idade, como rugas e marcas de expressão, já que seu uso melhora a textura da pele, tornando-a mais viçosa e rejuvenescida. No entanto, o tratamento deve ser constante e mantido durante meses ou anos, já que as marcas desaparecem gradualmente.

Na forma de peeling, é capaz de tratar o fotoenvelhecimento, já que ajuda a reverter a degeneração do colágeno causada pela radiação solar.

Também é eficaz no tratamento de hiperpigmentação, inibindo a síntese de melanina nas áreas tratadas. Estudos comprovam uma redução de 50% das manchas em 30 dias de tratamento.

O ácido mandélico também é indicado no tratamento de casos mais graves de acne, foliculite e rosáceas, além de auxiliar no controle da oleosidade excessiva da pele.

Benefícios e diferenciais do ácido mandélico

O ácido mandélico possui alguns diferenciais e benefícios quando comparado a outros ácidos AHA, como o glicólico ou o retinóico.

Por ser formado por moléculas maiores, o ácido mandélico possui ação mais lenta e suave e seu uso é mais seguro e versátil que os demais ácidos.

Além da sua função clareadora e despigmentante, ele possui propriedades antissépticas e anti-inflamatórias, auxiliando no combate de diversas infecções cutâneas.

É menos fotossensível que o ácido glicólico, kójico ou a hidroquinona, portanto é uma excelente alternativa para quem não consegue evitar a exposição solar, como pessoas que trabalham em ambientes externos ou moram em regiões muito quentes.

Possui um potencial irritativo e descamativo menor, ou seja, causa menos eritemas, irritação e alergias na pele decorrentes do uso do produto. Além disso, oferece maior segurança de uso em fotótipos mais altos, como peles morenas e negras.

Cuidados após o uso do ácido mandélico

Assim como no uso de outros ácidos AHA, a exposição solar deve ser evitada após o uso do ácido mandélico. Apesar de ser menos fotossensível, ainda assim, o sol pode ocasionar manchas ou piorar as já existentes. Portanto, o uso de protetor solar é imprescindível.

Após uma sessão de ácido mandélico é necessário evitar o uso de maquiagens, hidratantes e outros produtos com compostos químicos, a fim de evitar alergias e irritações devido à sensibilidade e vermelhidão da pele.

Seja em cosméticos ou tratamentos estéticos, o ácido mandélico é bastante eficiente e versátil, trazendo diversos benefícios para a saúde e beleza da pele. No entanto, é sempre importante contar com a orientação de um profissional qualificado que possa indicar as concentrações corretas e a frequência de uso, pois o uso incorreto desse ácido pode ocasionar queimaduras e piorar quadros de manchas na pele.

Você já fez algum tratamento com ácido mandélico? E com outros ácidos AHA? Compartilhe suas experiências!

close-link