Doenças Saúde

Causas da Enxaqueca: entenda como surge o problema

As causas da enxaqueca podem ser variadas, e acompanharem a pessoa desde a infância. Embora não represente um problema organicamente grave, causa dores profundas, vômitos e diversos sintomas que atrapalham diretamente a qualidade de vida de quem sofre do problema.

Muitas vezes, o tratamento envolve apenas medicação para o controle dos sintomas. A tendência é que o problema surja antes dos 30 anos de idade, o que representa uma possível vida inteira com os sintomas ocasionais da enxaqueca.

A notícia boa, no entanto, é que as causa da enxaqueca – e seus gatilhos – podem ser identificados. Isso diminui as chances de crises, quando for possível realizar o controle ativo do problema.

Entenda quais são os mistérios, os gatilhos e o que já se sabe sobre as causas da enxaqueca:

Causas da enxaqueca

Embora as causas exatas da enxaqueca não sejam totalmente conhecidas, sabe-se que fatores genéticos e ambientais influenciam na condição. Mudanças na condição química do cérebro ou problemas nervosos, por exemplo, são geralmente associados à enxaqueca.

Os desequilíbrios químicos mais associados ao problema são aqueles que envolvem a serotonina. Ela auxilia a regular a dor no sistema nervoso, e seus desequilíbrios afetam o organismo. Muitos estudiosos dedicam-se, atualmente, a estudar o papel da serotonina entre as causas da enxaqueca.

Gatilhos conhecidos

size_960_16_9_vinhos



Embora as causas da enxaqueca não sejam exatamente claras, seus gatilhos são mais conhecidos. “Gatilhos” são as situações com o potencial de desencadear crises de enxaqueca. Por isso, sempre que possível, é importante manter estas circunstâncias sob controle.

Entre os principais gatilhos conhecidos, estão:

  • Mudanças hormonais femininas: flutuações nos níveis de estrogênio estão entre os principais gatilhos conhecidos para enxaqueca em mulheres. A maioria das mulheres que sofrem de enxaqueca sofrem das crises logo antes ou durante a menstruação, quando os níveis de estrogênio estão mais baixos. A menopausa e a gravidez também podem causar o problema;
  • Medicações hormonais: contraceptivos e terapias de reposição, por exemplo, são causas da enxaqueca conhecidas. É possível, por outro lado, que o uso destas medicações diminua as crises de enxaqueca. Isso varia de mulher para mulher;
  • Alimentação: comida muito salgada, queijos envelhecidos e alimentos processados podem ser gatilhos de enxaqueca. Pular refeições e longos períodos de jejum também costumam favorecer o problema;
  • Bebidas: o álcool – em especial, o vinho – e outras bebidas ricas em cafeína podem ser causas da enxaqueca;
  • Estresse: uma rotina ou situações estressantes favorecem o aparecimento da enxaqueca;
  • Estímulos sensoriais exagerados: luzes exageradas, som multo altos ou cheiros muito fortes são exemplos de estímulos intensos. Em algumas pessoas, estas situações podem gerar crises dolorosas de enxaqueca;
  • Mudanças no padrão de sono: uma noite em claro ou aquela noite espichada até o início da tarde no final de semana pode ter consequências dolorosas. O mesmo pode acontecer em viagens com fuso horário diferente;
  • Fatores físicos: exercícios físicos muito intensos isolados podem causar crises. Algumas vezes, isso ocorre por atividade sexual prolongada, após longos períodos em a prática;
  • Mudanças ambientais: mudanças repentinas de clima ou pressão podem desencadear as crises, para algumas pessoas;

Fatores de risco

High angle view of a sleepy young woman suffering from headache with eyes closed in bed at home

Obviamente, nem todas as pessoas sofrem de crises de enxaqueca. Embora qualquer pessoa esteja sujeita, há fatores aumentam as chances do aparecimento da condição. Entre os principais fatores de risco conhecido, estão:

  • Histórico familiar: quem apresenta casos de enxaqueca na família possui chances aumentadas de sofrer da condição;
  • Idade: embora possa iniciar em qualquer idade, a maioria dos casos iniciam-se na adolescência. O pico do problema geralmente aparece aos 30 anos, e passa a amenizar com o tempo;
  • Sexo: mulheres possuem três vezes mais chance de desenvolver a condição do que homens. O papel só inverte-se durante a infância, quando garotos possuem mais chance de apresentar o problema.

Veja também:

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Pedro Henrique Ferreira Mendes

/* ]]> */