Maternidade Saúde

Como cuidar do umbigo do recém-nascido: saiba evitar infecções no bebê

O coto umbilical do recém-nascido precisa de cuidado diário para evitar possíveis infecções. Quais são, então, os cuidados necessários para evitar essa complicação que pode evoluir para um quadro grave?




>>PROMOÇÕES BLACK FRIDAY AMAZON - ATÉ 70% EM TODO O SITE

Neste artigo saiba quais são os cuidados básicos  com o coto umbilical para evitar a principal causa de infecção no umbigo dos  recém nascidos.

Confira também: Calendário de vacinação 2017 e 2018: veja aqui quais são as vacinas que seu bebê deve tomar.

Cuidados com o umbigo do bebê:

O coto umbilical do bebê passa por um processo de mumificação natural. Essa mumificação é o processo de secagem do cordão até o momento em que ele se solta do umbigo do bebê, deixando apenas a cicatriz umbilical.

O cordão umbilical leva de 4 a 15 dias para cair, pois varia muito de um bebê para o outro, por isso, não se apresse. O umbigo do bebê tende a cicatrizar cerca de 10 dias após a queda do coto, mas também pode variar.

Nesta imagem, você pode ver o processo desde a secagem do coto até a cicatrização do umbigo:




>>PROMOÇÕES BLACK FRIDAY AMAZON - ATÉ 70% em Moda Feminina

Coto umbilical

Os principais cuidados com com o coto umbilical do recém-nascido são a higienização com álcool 70% em todas as trocas de fralda e os cuidados pós-banho diariamente.

Como fazer a higienização:

Para fazer a higienização do cordão umbilical do bebê é preciso seguir algumas instruções simples:

  1. Umedeça um cotonete ou uma gaze com álcool 70%;
  2. Passe o cotonete ou a gaze na base do coto umbilical, no local onde ele se liga ao umbigo do bebê;
  3. Retire a secreção ou o sangue que houver no local.

A higienização após o banho é praticamente a mesma, no entanto, é preciso prestar atenção para não esquecer de secar muito bem a área.

Não precisa ter medo de causar dor no recém-nascido, ele não sente dor no cordão umbilical. No máximo, o pequeno pode sentir uma sensação gelada, causada pela ação do álcool em contato com a pele.




>>PROMOÇÕES BLACK FRIDAY AMAZON - ATÉ 70% em Moda Feminina

Neste vídeo, a Dra Daniele Marques Bastos dá mais algumas orientações sobre o cuidado com o cordão umbilical. Veja:

No vídeo, a pediatra explica que não se deve deixar que a fralda cubra o cordão umbilical, pois é preciso que ele fique arejado para secar naturalmente.

A doutora também alerta para que não se force o cordão umbilical, afinal, ele cairá naturalmente.




>>PROMOÇÕES BLACK FRIDAY AMAZON - ATÉ 70% em Moda Feminina

Não use moedas ou cinteiros para tentar corrigir o formato do umbigo do bebê. O melhor a fazer é limpas bem e aguardar para que o cordão seque e caia.

Mesmo após a queda do cordão umbilical, continue fazendo a limpeza do umbigo por cerca de 10 dias.

Sinais de alerta:

Há alguns problemas que podem acontecer por infecção, hérnia no cordão umbilical ou outras complicações, por isso, fique atenta a estes sinais:

  • região próxima ao umbigo esteja avermelhada;
  • haja um inchaço na região próxima ao umbigo;
  • a área estiver mais quente em relação a barriga do bebê;
  • o bebê aparentar sentir dor quando você manipula o cordão umbilical;
  • aumento da secreção da área, com coloração amarelada;
  • aumento da quantidade de sagramento;
  • mau cheiro;
  • após a queda do cordão, ficar um botão pálido ou rosado que ocupa toda a cavidade do umbigo, com muita secreção;
  • a barriga do bebê apresentar uma protuberância quando ele faz força.

Se seu bebê apresentar qualquer um desses sinais, procure auxílio médico imediatamente.




>>PROMOÇÕES BLACK FRIDAY AMAZON - ATÉ 70% em Moda Feminina

Onfalite, a infecção do cordão umbilical:

Onfalite é uma inflamação no umbigo, que pode acontecer quando há algum problema de cicatrização no coto umbilical.

Essa inflamação é causada por uma bactéria chamada Staphylococcus aureus, que geralmente está relacionada a ambientes hospitalares. Essa bactéria era inicialmente sensível à penicilina, mas após a década de 1950 houveram algumas mutações e foram criados outros tipos de antibióticos para combatê-las.

O grande risco da onfalite é que, caso não seja tratada adequadamente, a infecção pode se espalhar pelo corpo do bebê por meio da corrente sanguínea. Também há risco de outras complicações relacionadas a necrose na área.

O tratamento da onfalite, que deve ser diagnosticada por um pediatra, geralmente acontece com antibióticos específicos.

São vários os cuidados necessários para o recém-nascido, principalmente para garantir sua saúde. Outra atitude que protege a saúde do bebê é a amamentação.

Veja também: Guia prático para amamentação.

Último Vídeo do Nosso Canal


/* ]]> */