Nutrição Receitas

Como fazer comida congelada com essas 7 dicas importantes

Quer aprender como fazer comida congelada saborosa, nutritiva e de qualidade? Então, acompanhe a matéria e conheça dicas importantes para congelar pratos prontos.

Engana-se quem pensa que comida congelada não tem sabor e não são saudáveis. A escolha correta dos alimentos, o seu preparo e armazenamento adequados, garante pratos saborosos, equilibrados e saudáveis.

Diferentemente das comidas congeladas industrializadas que possuem altos níveis de sódio e conservantes, a comida caseira congelada é uma mão na roda! Além de serem preparadas com produtos de qualidade, são mais econômicas e muito práticas.

Acompanhe essas 7 dicas de como fazer comida congelada de qualidade!

1. Planejamento

Em primeiro lugar o planejamento é fundamental. Se optar por preparar as comidas congeladas em um só dia será preciso ter em mente o cardápio e providenciar todos os ingredientes necessários.

Um detalhe importante é não esquecer as vasilhas para o armazenamento, etiquetas para descrever seu conteúdo e sua data de validade uma vez que depois de congelados os alimentos ficam muito difíceis de serem identificados.

Também é importante congelar pequenas quantidades de alimentos diversificados para ter uma variedade disponível para preparar as refeições.

2. Congelamento de verduras e legumes

O processo de congelamento de verduras e legumes, o branqueamento, consiste em uma técnica simples, mas importante de conservação, que impede que os alimentos escureçam ou fiquem moles demais.

A técnica do branqueamento é simples: basta colocar bastante água em uma panela e deixar ferver. Coloque os alimentos e, assim que a água começar a ferver novamente retire-os e mergulhe-os em uma vasilha com bastante água e gelo para que ocorra o choque térmico.

Escorra os alimentos muito bem, coloque em vasilhas ou saquinhos próprios para congelamento, etiquete e leve ao freezer. Confira algumas verduras e legumes que podem ser congelados perfeitamente sem perderem suas propriedades nutricionais:

  • Vegetais verdes como: brócolis, espinafre, vagem e ervilha;
  • Mandioquinha, cenoura, pimentão, abóbora, milho, couve-flor;
  • Beterraba, tomate (molho), berinjela, repolho;
  • Hortaliças como a salsinha, coentro, folhas de salsão e cebolinha podem ser picadas e congeladas cruas.

3. Congelamento de carnes

As carnes também podem ser congeladas cruas, cozidas ou assadas. Veja só!

Veja também:

Bifes

Os bifes podem ser congelados à milanesa, prontos para fritar ou já fritos, bem como somente fritos. Devem ser congelados abertos e colocados em vasilhas ou sacos para congelamento. No caso de bifes prontos, descongele na geladeira. Aqueles que serão fritos, coloque direto na frigideira.

Carneiro, vitela e cabrito

As carnes de cabrito, vitela e carneiro podem ser congeladas cruas, cozidas ou assadas, permanecendo primeiramente na geladeira (quando cruas) e em temperatura ambiente após preparadas para que esfriem completamente evitando a formação de cristais de gelo. Depois é só embalar e levar ao freezer.

Carnes de frango e porco (lombo, pernil, costela)

O procedimento deve ser o mesmo que utilizado para as carnes de carneiro, vitela, cabrito e para os bifes, lembrando que as mesmas não devem ser muito temperadas e salgadas, pois o congelamento acentua os sabores.

Bolinhos de carne, kibes e hambúrgueres

Eles podem ser congelados em aberto, crus ou preparados e acondicionados em vasilhas ou sacos e devidamente etiquetados.

Peixes e frutos do mar

Os peixes assados e grelhados podem ser congelados em aberto e depois acondicionados em sacos próprios, bem como os camarões , lulas e polvos após aferventados e resfriados.

4. Congelamento de leguminosas e cereais

O feijão, a lentilha, o grão-de-bico e a soja, por exemplo, devem ser cozidos, porém não temperados. Entretanto é possível congelá-los refogados e temperados por até 15 dias. Mas é importante que esfriem completamente antes de irem para o freezer.

Já o arroz, tanto o integral quanto o branco, pode ser congelado em pequenas porções em potes próprios para congelamento, lembrando que não se deve exagerar no sal, pois ao congelar os temperos são intensificados.

Para o descongelamento basta retirar a tampa, polvilhar 1 colher de sopa de água, cobrir com papel absorvente e levar ao micro-ondas  de 1 a 3 min, dependendo do tamanho da porção.

5. Como fazer o descongelamento corretamente

Uma das vantagens da comida congelada é a praticidade para descongelar. Por exemplo, sopas, feijão, arroz, carnes cozidas, assadas ou grelhadas, legumes e vegetais vão diretamente do freezer ao fogão ou micro-ondas.

Já as tortas, massas com molho como, por exemplo, lasanha, kibes, esfihas, filés à parmegiana, estrogonofes, medalhões ao creme, almôndegas, bolos salgados e doces, entre outros, vão diretamente para o forno, seja convencional, elétrico ou em banho-maria.

Agora, o descongelamento de alimentos crus como carnes vermelhas, aves, peixes e frutos do mar, deve ser feito na geladeira por 24 h. Lembrando que o descongelamento não deve ser feito com o alimento aberto sobre a pia, pois isso aumento o risco de bactérias.

Vale ressaltar que não se deve descongelar e congelar novamente nenhum tipo de alimento, cru, cozido ou assado, sendo ideal que seja consumido no mesmo dia.

6. Alimentos que não devem ser congelados

Nem todos os alimentos podem ser congelados, como por exemplo, as frutas, que perdem as suas propriedades nutricionais, além de se desmancharem. Mas, podem ser utilizadas no preparo de sucos e caldas.

  • Alface, pepino e acelga, entre outros;
  • Derivados de leite: queijos cremosos ou brancos, tofu, creme de leite, chantilly, iogurtes, cremes a base de leite e amido de milho;
  • Batata, ovos com casca, maionese, macarrão sem molho, entre outros.

7. Montando refeições práticas, simples e saudáveis

As refeições congeladas vêm ganhando mais popularidade nos últimos anos por ser uma alternativa mais econômica, prática e ainda com a possibilidade de montar refeições diversificadas.

Daí a importância de ter uma variedade de alimentos congelados e em pequenas porções, possibilitando, por exemplo, o preparo de refeições para a semana toda. Quer algumas sugestões de cardápio? Então, anote aí!

Saladas cruas

Folhas como alface, rúcula, agrião, entre outras, podem ser lavadas, secas e guardadas em saquinhos a vácuo e conservadas na geladeira. Incluir 1 porções em cada refeição é o ideal.

Proteína animal

A proteína animal é fonte de vitaminas e sais minerais, então, procure incluir 1 porção em cada refeição, como por exemplo, carne bovina assada ou desfiada em salada, frango ou peixe grelhado, camarão refogado, entre outros.

Carboidratos

Os carboidratos são fontes de energia e fundamentais para que possamos desenvolver nossas atividades diárias. O ideal é incluir uma porção em cada refeição como arroz, massas, ervilha, lentilha, soja, feijão, entre outros.

Verduras e legumes

Além de ricos em fibras, as verduras e os legumes possuem vitaminais essenciais para o organismo. Não se esqueça de incluir 1 porção em cada refeição como cenoura, brócolis, couve-flor, repolho, palmito, vagem, entre outros.

Vale ressaltar que a sugestão de cardápio é meramente informativa e que, sempre que possível, uma nutricionista deve ser consultada para a elaboração de um plano alimentar ideal para cada pessoa.

Gostou das dicas? Confira abaixo receitas para quem quer ser fitness e está sofrendo:

Se você não fizer isso seu cabelo vai quebrar...


/* ]]> */