Decoração

Decoração com tijolos cobogó: para que serve e como fazer

Tijolos cobogós são o que arquitetos chamam de elementos vazados. Eles servem para decorar a casa com elegância e discrição, permitindo aproveitar iluminação natural. São produzidos em cimento, gesso, cerâmica, argila e vidro, entre outros materiais.

A variedade de cores e formatos destes tijolos especiais é enorme e eles são capazes de substituir uma parede por algo que deixe a luz transitar livremente.

Veja também: Decoração com pneus: repagine seu ambiente com originalidade

A decoração com tijolos do tipo cobogó também é usada para proporcionar privacidade entre um cômodo e outro, mas integrando os ambientes ao mesmo tempo.

Nas fachadas, os cobogós ajudam a suavizar incidência direta dos raios solares, permitindo a ventilação. E elas ainda ganham um toque extra de estilo quando os elementos são coloridos.

Em cidades como Brasília, a arquitetura moderna de Lúcio Costa traz este recurso com frequência, especialmente nas fachadas dos prédios das superquadras.

Os famosos blocos cheios de personalidade estão com tudo na arquitetura, conferindo uma decoração moderna, alegre e charmosa, para os mais diversos espaços.

Sabia que até no apoio para bancadas dá para usar os tijolos cobogós? Pois é… Estes versáteis itens de decoração são capazes de virar mobília!

Por causa do desenho marcante e com trama repetida, o ideal é que o espaço onde será feita a decoração com tijolos cobogós tenha características que possam equilibrar o conjunto.

O segredo, portanto, é manter poucos móveis ou criar superfícies lisas. Nada de excesso de texturas ou desenhos, para evitar um visual carregado de informações. O grande destaque deve ser o material do tijolo. Menos é mais!

Além de enfeitar, as peças ainda ocultam partes ou detalhes específicos do lar e até do escritório. Em casa, por exemplo, pias e instalações de gás podem ficar devidamente acomodados sem comprometer o décor.

Saiba mais sobre tijolos cobogós

Uma curiosidade! Diz-se que o nome cobogó surgiu da junção de três sobrenomes: Co (de Coimbra), Bo (de Boeckmann) e (de Góis).

São os nomes dos engenheiros que começaram a empregar este elemento em seus projetos, em Pernambuco, nos anos de 1920/1930 (há divergências).

A inspiração para criar os cobogós partiu de objetos tradicionais árabes, os muxarabiês, compostos por treliças de madeira vazada.

Os muxarabiês também são usados para facilitar a passagem de luz, favorecer a ventilação na medida certa e garantir a privacidade, resultando em um efeito de luz e sombra incrível.

Sem dúvida, o cobogó é um dos itens construtivos mais charmosos da arquitetura, sempre exibindo seu ar retrô e a característica funcional em perfeita harmonia.

Antigamente, o cobogó era encontrado facilmente em blocos de cerâmica ou concreto aparente. O lado ruim disso é que limitava um pouco a utilização dele, deixando-o mais voltado às áreas de serviço ou espaços externos.

Os formatos, materiais e multicores mudaram completamente as possibilidades, especialmente com os belos cobogós de louça, tornando o elemento vazado um acessório na decoração dos ambientes.

Para quem ainda não tem prática na decoração com tijolos cobogós, o truque é começar por projetos mais simples, sem mesclar desenhos, pois isso já necessitaria de auxílio profissional.

Então, invista no xadrez preto e branco ou nas listras coloridas para ir pegando jeito.

Quanto às cores, elas dependem do estilo da pessoa. Uma ideia que cai bem é aproveitar o xadrez preto e branco, por exemplo, que é clássico, e acrescentar móveis laqueados coloridos.

Se você gostar de ousar na decoração, é só caprichar nos cobogós vermelhos. Lembrando ainda que uma bela mistura de tons vibrantes deixa qualquer espaço com mais identidade.

Além da finalidade estética, o cobogó é um aliado na economia de energia, pois ele filtra o sol e garante ventilação permanente.

Decoração com tijolos cobogó é tudo de bom, não é mesmo? E você, já utilizou estes elementos vazados em algum projeto na sua casa ou escritório? Compartilhe!

Até a próxima!

Sobre o autor

Fatima