Recomendados para você
Doenças Saúde

Diverticulite e Diverticulose: causas, sintomas e tratamento

A young woman touching her painful abdomen

As doenças diverticulares, como a diverticulite e diverticulose, são condições caracterizadas pelo desenvolvimento de espécies de sacos ou bolsos na parede do cólon. São problemas que pode ou não causar dor, e afetam diretamente o funcionamento do trato digestivo.

Entenda o que são diverticulite e diverticulose, quais são as diferenças, sintomas e tratamento de cada uma:

O que é diverticulose?

A diverticulose é a formação de diversas “bolsas”, chamadas de divertículos, ao longo do trato digestivo. Estas bolsas podem ter desde o volume de pequenos grãos ou desenvolverem-se em grandes corpos. Elas podem ser formadas pelo excesso de pressão nas paredes do intestino, seja por gases, líquidos ou pelo conteúdo interno.

Os divertículos são mais comuns na porção inferior do intestino grosso, e possuem maiores chances de formarem-se durante constipações. A diverticulose é bastante comum, ocorrendo em mais de 50% da população após os 60 anos. Na maioria dos casos, não há complicações resultantes do problema.

Cerca de 20% dos casos de diverticulose apresentam problemas mais sérios. Um destes problemas é o sangramento do reto – chamado de sangramento diverticular – e a infecção diverticular – chamada de diverticulite.

O que é a diverticulite?

diverticulite-500x340

A diverticulite ocorre quando há inflamação e infecção em um ou mais divertículos. Por isso, é uma condição que pode ou não ocorrer em adição à diverticulose. A diverticulite geralmente ocorre quando há algum tipo de bloqueio nos divertículos do trato digestivo. Isso permite um acúmulo de bactérias, que pode levar à infecção.

Sintomas de diverticulite e diverticulose

Fotolia_57064638_Subscription_XXL

No caso da diverticulose, o problema por si só não apresenta sintomas específicos ou perceptíveis. O mesmo não é verdade para a diverticulite. Esta, por sua vez, apresenta uma série de sintomas que podem ser bastante sérios.

Entre os principais sintomas da diverticulite, estão:

  • Diarreia ou constipação – podendo-se alternar entre os dois estados;
  • Cólicas dolorosas, ou sensibilidade na porção inferior do abdômen;
  • Tremores ou febre;

Diagnóstico de diverticulite e diverticulose

Como geralmente não há sintomas específicos para a diverticulose, ela geralmente só é encontrada durante exames relacionados a outras condições. Isso ocorre porque – caso não haja complicações, você provavelmente não terá motivos pra desconfiar do problema.

A diverticulite, por outro lado, deve ser diagnosticada o quanto antes para poder ser tratada adequadamente. Para o diagnóstico, o médico ou médica responsável fará perguntas sobre hábitos e histórico médico e realizará exames físicos. Muitas vezes, é necessário um exame a partir do reto para buscar por irregularidades.

Além disso, testes como radiografias, ultrassom, colonoscopia e testes sanguíneos podem ser realizados. Um dos objetivos do diagnóstico geralmente envolve identificar infecções e sangramentos.

Em pessoas com sangramento retal significativo, pode ser necessário realizar uma angiografia – utilizada para localizar a fonte do sangramento.

Como diverticulite e diverticulose são tratados?

78aba01d5abda31457d327190cff022f

No caso de pessoas com diverticulose, onde não há complicações significativas, o tratamento resume-se a evitar mais desenvolvimento de divertículos. Para isso, geralmente utiliza-se o planejamento de uma alimentação mais equilibrada e adequada. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, laxantes não devem ser utilizados para o tratamento da diverticulose.

No caso da diverticulite, o tratamento depende da gravidade do problema. Em geral, o tratamento utiliza-se da modificação dos hábitos alimentares e uso de antibióticos específicos. Uma dieta mais equilibrada garante um melhor funcionamento do trato digestivo. Os antibióticos, por sua vez diminuem as chances de infecção que levam à diverticulite.

Em casos mais graves, pode-se recorrer a procedimentos cirúrgicos mais invasivos. Nestes casos, pode-se remover os tecidos que estejam gerando o problema. Na maior parte destes casos, o objetivo principal está em localizar os locais que são fonte de sangramento, evitando que o problema siga ocorrendo.

Veja também:

Último Vídeo do Nosso Canal


1 comentário

Comentar

/* ]]> */