Moda Tatuagens

Fazer tatuagem é considerado pecado?

Se fazer tatuagem é considerado pecado, provavelmente muitas pessoas acabarão desistindo de eternizar aquele desenho lindo em sua pele. Mas, a resposta para essa questão não possui uma única versão. Considerar tatuagem pecado depende da crença e da interpretação que você faz da Bíblia.

Neste artigo vamos ver o que a Bíblia diz sobre a tatuagem e, em seguida veremos quais são as possíveis interpretações sobre as Escrituras. Dessa forma, você poderá decidir se fazer tatuagem é considerado pecado ou não.

O que a Bíblia diz sobre tatuagem?

Na época em que a Bíblia foi escrita não existia a palavra tatuagem. Naquele período e naquela localidade, não existia a cultura da tatuagem como a conhecemos hoje.

As orientações de Deus para Moisés

A citação considerada direta sobre o tema é do livro de Levítico, capítulo 19, versículo 28:

“Pelos mortos não dareis golpes na vossa carne; nem fareis marca alguma sobre vós. Eu sou o Senhor”. Confira o capítulo de Levítico completo aqui.

Algumas traduções da Bília usam a palavra “tatuagem” no lugar de “marca”, no entanto, essa tradução é questionável, pois não leva em conta o contexto da época em que a Bíblia foi escrita. Vamos entender o contexto?

Este capítulo se passa durante a famosa fuga do povo judeu da escravidão no Egito, guiados por Moisés. Neste capítulo são descritas as orientações que Deus passou a Moisés para que ele as transmitisse ao seu povo. É uma espécie de manual com as regras de Deus para diferenciar os seguidores dEle dos pagãos, que tinham crenças diferentes.



Naquele período havia alguns costumes de outras religiões que tinham como hábito marcar o próprio corpo para homenagear pessoas que morreram. Existiam, ainda, outros rituais estranhos à crença propagada até então por Moisés que envolviam marcas na pele.

Assim como o texto desse capítulo desaconselha as práticas pagãs de marcar a pele, também orienta a evitar muitos outros hábitos pagãos, como adorar deuses fundidos (imagens de deuses de outras crenças), consultar pessoas que faziam encantamentos e adivinhações… e por aí vai.

Alguns intérpretes consideram que as leis apresentadas por Moisés nesse capítulo de Levítico podem ser classificadas em três tipos:

  1. Leis Civis: dizem respeito às condições sociais da época e não podem ser aplicadas hoje em dia;
  2. Leis Cerimoniais: são referentes a sacrifícios de animais e outros rituais daquele período que também não devem ser aplicadas atualmente;
  3. Leis Morais: são relativas à ação do ser humano independente do período em que ele vive, ou seja, são condutas, princípios que servem para guiar nossas atitudes nos dias em que vivemos.

De acordo com essa maneira de ver as coisas, a questão das marcas na pele falavam sobre uma postura específica daquela época e não de um princípio moral. As leis civis e cerimoniais foram, conforme essa forma de interpretar, abolidas com o segundo testamento.

A carta de Paulo

Mas, há ainda no Segundo Testamento um trecho interpretado como uma orientação contra as tatuagens. Curiosamente, este trecho não faz nenhuma referência direta à tatuagem. No livro de Coríntios 1, no capítulo 6, versículo 19 e 20, Paulo escreveu:

” Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”.

Essa interpretação diz que, como o corpo que habitamos não é nosso, pois pertence à Deus, não é recomendável fazer qualquer “intervenção” humana nele: brincos, piercings e tatuagens. Há, entre os fieis diversas interpretações da Bíblia, por isso, alguns não vêem dessa forma. Se nosso corpo é uma propriedade de Deus, ao adorná-lo não estaríamos agradando ao Senhor?

Fazer tatuagem é considerado pecado, afinal?

Nós vimos que tanto o trecho de Levítico quanto de Coríntios (ou Carta aos Conríntios) não fazem uma referência direta à cultura da tatuagem como ela é hoje. Inclusive, a interpretação que usa as palavras de Paulo para ir contra a tatuagem parece um pouco apelativa.

Enfim, no mesmo capítulo de Coríntios, está escrito: “Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém. Tudo me é lícito, mas nem tudo me edifica”. Ou seja, é preciso ter bom senso. Não é proibido tatuar. Um cristão fiel pode ter tatuagens, desde que não seja nada muito exagerado.

E aí, o que achou desse tema tão delicado? Compartilhe este texto nas redes sociais e escreva sua opinião!

E veja mais:

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Mariana Mendes

/* ]]> */