Maternidade Moda Tatuagens

Meu filho quer fazer tatuagem: o que eu devo fazer?

A vontade de tatuar o corpo é cada vez mais comum nos dias atuais, principalmente porque o preconceito com as pessoas tatuadas está diminuindo bastante e, por isso, muitas pessoas se libertam do medo de marcar a pele para sempre com desenhos, frases e outros tipos de símbolos.

Porém, segundo a lei, apenas maiores de 18 anos podem se tatuar sem a autorização prévia dos pais ou responsáveis, e muitas crianças e adolescentes podem não aguentar esperar todo esse tempo e começam a pedir para os pais uma tatuagem discreta para iniciar a vida dos rabiscos no corpo.

A verdade é que, geralmente, quando um filho quer fazer tatuagem, muitos conflitos começam a ser gerados na família, às vezes, até mesmo se esse filho já é maior de idade e nem mora mais com os pais, mas ainda mantém um contato constante.

Porém, no artigo de hoje, falaremos um pouco mais com você, mãe e pai, que não sabem o que fazer quando o filho quer fazer tatuagem e você não apoia essa decisão, por diversos motivos diferentes que poderiam dar uma lista de metros.

O que é a tatuagem?

Antes de mais nada, é muito importante que você entenda o que é uma tatuagem e por que o seu filho quer ter uma no corpo, mesmo que isso seja para a vida toda e ela só saia por meio de remoção a laser.

Apesar da visão preconceituosa que muitas pessoas ainda possuem, as tatuagens nada mais são do que um meio de se expressar através de figuras e palavras que fazem sentido para a pessoa. Essas tatuagens podem ser coloridas ou apenas pretas: é tudo uma questão de gosto.



Diferente do passado, atualmente muitas pessoas têm uma visão mais mente aberta com relação às tatuagens e, por isso, o preconceito está diminuindo bastante… É bem comum ver pessoas da terceira idade fazendo a primeira tatuagem da vida, por exemplo.

Apesar de todo o conflito de gerações, é muito importante que você analise alguns pontos antes de decidir se deixará seu filho fazer uma tatuagem ou não. Por isso, iremos te ajudar nesse processo, para que tudo fique mais claro e a sua decisão não seja tomada apenas levada por princípios antigos.

Devo deixar meu filho se tatuar?

 

Quando um filho pede para se tatuar, a primeira coisa que vem à cabeça sempre é a questão de emprego e como as pessoas verão o seu filho depois que a tatuagem for feita. Porém, é preciso admitir que o mundo está mudando e muitas coisas não são mais como antes – ainda bem.

Por isso, leve em consideração os pontos a seguir na hora de tomar sua decisão e dar sua resposta final:

O preconceito

Primeiramente, com certeza, o seu maior medo é o preconceito que o seu filho irá sofrer após fazer a tatuagem, seja na tentativa de arranjar emprego, seja durante os jantares de família e eventos formais. Porém, a verdade é nua e crua: o preconceito está diminuindo bastante ao longo dos anos e, atualmente, tatuagens são aceitas até mesmo em concursos públicos e cargos na polícia.

Por isso, analise bem se o preconceito, na verdade, não está dentro da sua cabeça. Não canalize o seu estilo de vida no seu filho, pois ele não é uma extensão sua. Tudo o que você deve fazer é pensar como o mundo irá reagir às escolhas de seu filho e, mesmo assim, o preconceito das pessoas não é tão importante assim.

Portanto, o preconceito não é um tópico forte o suficiente para impedir alguém de se tatuar atualmente. Provavelmente, algum dia, ele foi um motivo muito forte e pertinente, mas nos dias de hoje, com certeza, existem muitas ressalvas para isso.

A idade

De acordo com a lei, seu filho poderá se tatuar sozinho apenas quando ele for maior de 18 anos e, se for antes disso, ele precisará de uma autorização de ambos os pais. Porém, a ideia de que as pessoas mudam muito de cabeça com o passar do tempo realmente é verdade. Por isso, não recomendamos que seu filho se tatue se ele for menor de idade.

É extremamente comum encontrar pessoas que se tatuaram enquanto eram menores de idade e, depois, acabaram se arrependendo. É nesses casos (e não em todos) que as pessoas realmente se arrependem no futuro. É importante lembrar que as tatuagens são para sempre e as pessoas mudam de opinião com o passar do tempo, principalmente na adolescência, que é uma fase tão conturbada.

Portanto, apenas deixe o seu filho se tatuar enquanto menor de idade se a tatuagem possuir um valor sentimental (como, por exemplo: uma tatuagem para alguém da família). Mas, mesmo assim, recomendamos que algo bem discreto seja feito.

A maturidade

 

Com certeza a maturidade é algo extremamente necessário na hora de fazer uma tatuagem, e se seu filho já é maior de idade, as chances de ele ter bastante maturidade e noção do que está fazendo já são bem maiores.

Por isso, tenha em mente de que ele não é mais uma criança e já sabe bem o que quer. Isso é algo extremamente importante na hora de fazer qualquer coisa que tenha um resultado permanente, não apenas uma tatuagem.

Portanto, se seu filho for maior de idade e tiver noção de quais tatuagens devem ser feitas e quais não devem, com certeza, não há nenhum motivo para impedi-lo de algo assim. Até porque, no fim das contas, isso é tudo uma questão de estilo e do modo como as pessoas se expressam com si mesmas e com o mundo.

Esperamos que suas ideias estejam mais claras após a leitura desse artigo e que você tenha entendido por que o seu filho quer fazer tatuagem e por que seria uma besteira impedir isso se todos os requisitos anteriores forem preenchidos da maneira certa!

Lembre-se sempre que seu filho não é uma extensão sua e que, mesmo ele fazendo uma tatuagem, o seu corpo continuará intacto do jeito que você cuidou para que fosse.

Até a próxima!

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Raiane

/* ]]> */