Saúde

Geleia Real: conheça os principais benefícios

A geleia real é uma secreção esbranquiçada, produzida pelas glândulas das abelhas trabalhadoras. Este nome vem do fato de a geleia real ser o principal alimento da abelha rainha. A rainha é a única abelha da colmeia que alimenta-se do produto.

Os benefícios da geleia real são bastante estudados e conhecidos ao redor do mundo. Muitas pessoas acabam trocando alguns suplementos pelo consumo regular do produto. Entre as vantagens de se fazer isso, está o fato de ser algo natural, sem o processamento químico pelo qual muitos suplementos passam.

Conheça os principais benefícios da geleia real, apontados por pesquisas científicas ao redor do mundo:

Poder antioxidante

À medida que suas células oxidam, você também sofre os efeitos. Estes efeitos incluem condições degenerativas, doenças coronárias e, até mesmo, o câncer. Um estudo publicado na Revista de Química em Alimentos Agrícolas, em 2008, demonstrou que a geleia real possui uma concentração altíssima de antioxidantes.



Segundo o estudo, quanto mais fresco o produto está, maior a concentração deste efeito. Por isso, ao comprar geleia real, busque pela produção mais recente. Congele o que não for imediatamente utilizado, para manter a vitalidade do produto.

Combate inflamações

Um estudo japonês, realizado pela Hayashibara Biochemical Laboratories, testou a atividade anti-inflamatória da geleia real. O resultado demonstrou que a consumo regular do produto causa uma supressão nos componentes que favorecem inflamações.



Isso torna a “geleia” uma poderosa aliada para quem possui histórico de doenças coronárias na família. Também é um suplemento indicado para quem possui predisposição a inflamações.

Controle de diabetes e açúcar no sangue

Um grupo de médicos alemães no hospital universitário Justus-Liebig reuniu um total de vinte voluntários para realizarem testes de tolerância à glicose. Os testes seriam feitos em duas etapas – uma em estado normal, outra após a ingestão de 20 g de geleia real.

Os médicos perceberam que, após duas horas, a quantidade de açúcar presente no sangue era muito inferior quando os pacientes haviam consumido a geleia real previamente. Se você possui algum problema com a glicose no sangue, a suplementação com a geleia real pode ser uma alternativa.

Osteoporose e fortalecimento dos ossos

geleia-real

Um grupo de cientistas japoneses desenvolveu a hipótese de que a geleia real seria benéfica para quem sofre de osteoporose. Para testar a hipótese, eles realizarem estudos com ratos de laboratório.

Nestes estudos, eles perceberam que o consumo regular do produto aumenta a absorção de cálcio e vitamina D no intestino. Isso indica que a geleia real potencialmente previne a ocorrência de osteoporose, e auxilia em seu tratamento.

Por isso, recomenda-se a suplementação do produto junto a doses de cálcio e vitamina D. A recomendação é especialmente verdadeira para quem já possui histórico do problema na família. De acordo com o estudo, as melhorias na absorção de cálcio no corpo são facilmente replicadas em humanos.

Leia mais: Pueraria Mirifica: emagrecimento e aumento dos seios

Atuação contra o câncer de mama

Um grupo de cientistas na universidade de Kyushu, no Japão, estudou os efeitos de proteção da geleia real no câncer de mama. No estudo, eles descobriram que o produto inibe o efeito de crescimento das células cancerígenas na mama.

Embora ele não seja capaz de reduzir a proliferação de células cancerígenas, diminuir a taxa de crescimento delas já representa uma ajuda significativa. Muitos enxergam este estudo como um início promissor para controles menos invasivos do câncer.

Controle do colesterol

Um grupo de pesquisadores japoneses realizou um teste sobre os efeitos da geleia real no colesterol sanguíneo de 15 voluntários.

Metade dos voluntário recebeu 6 gramas de geleia real diárias, durante quatro semanas. Este grupo viu seu nível de colesterol LDL (chamado de “ruim”) diminuir significativamente, em relação ao grupo que não recebeu o produto. Além disso, não houve danos aos níveis de HDL (chamado de “bom colesterol”.

Sobre o autor

Pedro Henrique Ferreira Mendes