Doenças

Hepatite: causas, sintomas, tratamentos e muito mais

A Hepatite é um problema que nos últimos anos vem causando preocupação ao redor do Brasil e do mundo. Isso porque se trata de uma doença capaz de causar grandes males na vida do portador, podendo significar até mesmo a morte do paciente.

A prova disso, é que um estudo publicado ainda em 2014, apontou que à época ela já matava quase tanto quanto a Aids. Mas o que é exatamente essa doença e como ela age? Existe tratamento? Quais seus sintomas? Tudo isso e muito mais você confere a partir de agora.

O que é a Hepatite? Quais os tipos comuns?

A grosso modo, podemos dizer que a Hepatite é o termo dado a um problema degenerativo que se instala no fígado. Ele pode se apresentar de diferentes formas e atingir pessoas de qualquer idade e sexo.

Esse tipo de inflamação acontece de maneiras distintas, mas a mais comum vem a partir da contaminação por vírus tipo A, B e C. Além disso, no entanto, também pode ocorrer em função do abuso no consumo de bebidas alcoólicas ou até mesmo remédios.

Quais as suas causas?

Conforme já sugerimos, as causas podem ser distintas e cada tipo de Hepatite possui uma classificação própria, o que facilita o entendimento. Por isso mesmo, nos focaremos agora em esclarecer os detalhes relacionados a cada um desses tipos.

Hepatite A

Esse é o caso onde a HAV é a denominação do vírus causador do problema. Ao contrário do que muita gente acredita, ele pode ser transmitido até mesmo por relações sexuais. Apesar disso, entre os meios de contaminação mais comuns está o consumo de água ou alimentos contaminados.

Em relação aos sintomas, no caso da Hepatite A podemos dizer que começam a surgir a partir do décimo dia após exposição ao vírus. Todavia, há casos em que esse prazo pode chegar até a 50 dias após a contaminação.

Entre as reações mais comuns estão a febre icterícia, o desconforto abdominal e o mal estar. Além disso, ocorre também um certo “amarelamento” na região dos olhos e na urina, que por sua vez pode até atingir coloração alaranjada. Vale destacar, no entanto, que algumas pessoas contaminadas podem não apresentar esses sintomas.

Hepatite B

Aqui temos outro nível da doença, mas que é igualmente incômodo. Nesse caso, o vírus responsável pelo surgimento do problema é denominado HBV, que é transmitido principalmente por meio de fluidos corporais. É por essa razão, por exemplo, que a Hepatite B acaba sendo muito comum entre usuários de drogas injetáveis.

Além disso, também estão expostos ao risco as pessoas com algum tipo de contato com material cirúrgico contaminado ou que compartilham itens de higiene pessoal. A lista inclui lâminas de barbear, alicates e até cortadores de unha. Como se não bastasse, também há o risco de contaminação por meio da relação sexual sem o uso de preservativo.

Agora, em relação aos sintomas, a verdade é que eles são incomuns em um primeiro estágio. Isso significa que o problema se manifesta mais tardiamente, quando passa a ser um quadro crônico que pode evoluir para cirrose ou câncer no fígado.

Hepatite C

Aqui temos um caso onde o vírus que causa a doença é denominado HCV. Assim como no caso anterior, a doença pode ser transmitida por meio de fluidos corporais e sexo sem proteção.

No grupo de risco de contaminação estão principalmente os usuários de drogas injetáveis e pessoas expostas a material médico contaminado. Isso significa que o caso é bastante similar ao da Hepatite C, o que também inclui o fato de os sintomas não se manifestarem com facilidade.

Vale destacar, porém, que um exame de sangue específico pode detectar o problema. Além disso, há casos em que os sintomas podem se tornar evidentes, mas nessas situações eles se assemelham aos indícios da Hepatite A.

Hepatite alcoólica

Conforme sugerimos inicialmente, o consumo excessivo de álcool também pode ser causador da Hepatite. Nesse caso os sintomas também são similares aos apresentados no caso da Hepatite A, mas podem ser mais intensos.

Entre os agravantes estão a possibilidade de ocorrer acúmulo de fluidos no abdômen e até convulsões. Além disso, podem haver mudanças comportamentais devido às toxinas liberadas pelo fígado. Em estágio avançado os problemas podem incluir ainda insuficiência renal e do fígado.

Hepatite medicamentosa

No caso da Hepatite causada pelo uso excessivo de medicamentos, o problema pode até causar lesões no fígado. Nos casos onde o problema é diagnosticado, se faz necessária a imediata interrupção do uso do medicamento. Além disso, é necessário acompanhamento médico que avaliará o quadro através de exames laboratoriais regulares.

Hepatite autoimune

Diferente dos exemplos anteriores, a Hepatite autoimune, como o próprio nome sugere, é causada por falha no sistema imunológico. Esse problema leva a uma produção natural de anticorpos que atacam o fígado.

Trata-se de um problema mais recorrente em mulheres e que pode até causar a cirrose hepática, se não tratada adequadamente. Entre os sintomas comuns estão: fadiga, desconforto no abdômen, icterícia, aumento do volume do fígado, surgimento de veias, pontos vermelhos na pele, dores nas articulações e diminuição do fluxo menstrual.

Esteato-hepatite não alcoólica

Por fim temos aqui a “Esteato-hepatite não alcoólica”. O nome é dado a um problema que surge em função do acúmulo de gordura no fígado. O problema é tão comum que, segundo estimativas, já atinge pelo menos 20% da população brasileira.

Leia também:

Como diagnosticar a hepatite

Feliz ou infelizmente, a melhor maneira de diagnosticar a Hepatite é através de exames específicos que determinam o tipo do problema. O ponto negativo é que, conforme citado, em alguns casos os sintomas não se manifestam, o que atrasa o diagnóstico. Os sinais da doença mais considerados para solicitação dos exames são icterícia e aumento no volume do fígado.

Exames para diagnóstico de hepatite

Para diagnosticar o problema, os exames se baseiam no hepatograma. O objetivo é naturalmente identificar o nível da inflamação e determinar a causa da doença, assim é possível entender o tipo do problema.

Em alguns casos, pode ser solicitado sorologia para que haja definição dos tipos de vírus e dos marcadores de autoimunidade. Além disso, uma ultrassom também pode ser procedida a fim de verificar se houve aumento no tamanho do fígado ou se há algum corpo estranho.

É nesse caso que pode ser observado, por exemplo, se há algum tipo de tumor. Vale destacar por fim, que em situações extremas pode ser necessária uma biópsia hepática.

Tratamento para hepatite

O tratamento adequado para a Hepatite será recomendado pelo profissional da saúde responsável por acompanhar o paciente. De modo geral, no entanto, a princípio é feito com repouso e medicamentos antivirais. Outras possibilidades também podem ser consideradas, já que não existe um tratamento padrão.

Último Vídeo do Nosso Canal


/* ]]> */