Comportamento Doenças Saúde

Hipogonadismo (feminino e masculino): saiba tudo aqui

Hipogonadismo é uma doença que impede o funcionamento normal das glândulas reprodutivas, tanto de mulheres como de homens. Caracteriza-se pela dificuldade na produção dos hormônios sexuais (progesterona e estrógeno para mulheres, testosterona para homens). A produção das células reprodutoras (óvulos e espermatozoides) também é afetada.

É grave? O que pode acontecer com quem sofre de hipogonadismo?

A medicina classifica o hipogonadismo em duas categorias, de acordo com a sua origem:

  • Hipergonadotrófico ou primário, quando a doença incide diretamente sobre as gônadas;
  • Hipogonadotrófico ou secundário, quando ela se manifesta na hipófise ou no hipotálamo, regiões do cérebro que controlam as glândulas produtoras de hormônios do corpo, incluindo as gônadas.

A consequência mais grave provocada pelo hipogonadismo é a infertilidade, principalmente para quem quer ter filhos. Mas a doença pode ainda produzir outros efeitos, como:

  • maior risco de derrames e infartos;
  • alterações no desenvolvimento sexual;
  • alterações no humor;
  • aumento do risco de câncer de mama;
  • ganho de peso;
  • redução da massa muscular;
  • redução da massa óssea.

O que causa o hipogonadismo?

O hipogonadismo pode ser congênito (herdado geneticamente) ou adquirido. Entre as principais causas para sua ocorrência, podemos citar:

  • a obesidade, que pode ser tanto causa como consequência da doença (principalmente entre homens);
  • também entre homens, traumas ou infecções nos testículos, incluindo a caxumba;
  • o uso de medicamentos que contenham opióides;
  • o hipotireoidismo;
  • a hereditariedade (síndrome de Klinefelter nos homens e síndrome de Turner nas mulheres).

Com menor frequência, outras causas que também podem levar ao hipogonadismo são:

  • a rápida perda de peso (principalmente para mulheres atletas),
  • as cirurgias ou radiações realizadas sobre regiões do corpo próximas aos testículos, aos ovários ou à hipófise,
  • algumas doenças como a hemocromatose, a aids ou a síndrome de Kallmann;
  • os tumores hipofisários;
  • doenças autoimunes, doenças hepáticas, doenças renais ou outras doenças crônicas.

Após os 60 anos de idade, a redução natural da produção de hormônios sexuais pode favorecer o surgimento da doença.

Hipogonadismo congênito: síndrome de Klinefelter e síndrome de Turner

Tanto a síndrome de Klinefelter entre os homens, como a síndrome de Turner entre as mulheres são anomalias na formação do par de cromossomos que define as características sexuais da pessoa. Essas anomalias têm origem no material genético do pai e/ou da mãe.

Normalmente, as células humanas contêm 23 pares de cromossomos, totalizando 46. Um desses pares determina o sexo da pessoa, sendo formado por dois cromossomos do tipo X para mulheres (XX) e por um cromossomo X e outro Y para os homens (XY).

A síndrome de Klinefelter atinge um em cada 500 meninos nascidos. Ela dá origem a células com 47 cromossomos. O cromossomo a mais é do tipo X, o que faz com que em lugar do par XY, forme-se um trio XXY. Como resultado, a criança apresenta um desenvolvimento físico e cognitivo alterado, incorporando algumas características femininas.

Na síndrome de Turner, que afeta uma em cada duas mil meninas nascidas, o par de cromossomos determinantes para o sexo apresenta um cromossomo X funcional, enquanto o outro pode estar ausente, danificado ou com características do cromossomo Y. Meninas que nascem com a síndrome de Turner podem apresentar diversos problemas em seu desenvolvimento físico e cognitivo.

Quais são os sintomas do hipogonadismo?

Alguns sintomas do hipogonadismo são específicos para homens ou mulheres. Há também sintomas que se manifestam na vida adulta e outros que surgem já na transição da infância para a adolescência.

Sintomas para homens adultos

Para homens em idade adulta, os principais sinais para um possível quadro da doença são:

  • baixo apetite sexual;
  • quantidade escassa de pelos no corpo;
  • baixa produção de esperma;
  • disfunção erétil;
  • dificuldade para engravidar a parceira;
  • impotência sexual;
  • redução da massa muscular;
  • aumento dos níveis de gordura;
  • surgimento de mamas;
  • desenvolvimento do quadril;
  • voz fina;
  • crescimento anormal dos braços e das pernas;
  • falta de energia, desânimo.

Sintomas para mulheres adultas

Já para mulheres em idade adulta, os sintomas mais comuns são:

  • desregulação do ciclo menstrual; em alguns casos, a mulher deixa de menstruar por mais de três meses;
  • dificuldade de engravidar;
  • problemas durante a gestação;
  • redução do apetite sexual;
  • redução dos pelos no púbis e nas axilas;
  • falta de energia;
  • perda de massa muscular;
  • ondas de calor;
  • secura vaginal;
  • fogachos antes dos 40 anos de idade.

Sintomas na transição da infância para a adolescência

Alguns sintomas também podem se manifestar na passagem da infância para a adolescência, como por exemplo:

  • em meninas, chegar aos 14 anos de idade sem o desenvolvimento das mamas, dos pelos pubianos e sem a ocorrência da primeira menstruação;
  • em meninos, chegar aos 16 anos de idade sem o desenvolvimento do pênis e sem alterações na voz, ou ainda, o não desenvolvimento dos pelos pubianos.

Como diagnosticar o hipogonadismo?

Diante de alguns dos sintomas citados, é importante buscar uma avaliação médica. Clínicos gerais, radiologistas, urologistas, ginecologistas e endocrinologistas estão entre os profissionais mais indicados para tal.

De acordo com o histórico do paciente e o exame clínico realizado pelo médico, alguns exames complementares podem ser necessários, tais como:

  • painel de hormônios;
  • espermograma;
  • ultrassom dos testículos;
  • ultrassom da pelve;
  • ressonância da hipófise;
  • outros.

Como tratar o hipogonadismo?

As formas de tratamento do hipogonadismo variam de acordo com suas causas.

Se a causa está associada a um tumor hipofisário, medicamentos específicos ou uma cirurgia são as formas de tratamento mais indicadas.

Já quando a doença tem origem em algum trauma nos testículos ou nos ovários, não há como atacar diretamente a causa, mas é possível compensar seus efeitos com uma reposição hormonal.

Para mulheres, existe ainda a possibilidade de um tratamento de estimulação da ovulação.

Concluindo

Diante de sintomas típicos de hipogonadismo, procure ajuda e jamais recorra à automedicação.

A automedicação representa sempre um risco, não só de não resolver o  problema, mas de agravá-lo ainda mais ou então gerar efeitos colaterais indesejados. Detalhe: suspender o uso ou alterar as dosagens de um medicamento sem o conhecimento e a autorização do médico que o receitou também são formas de automedicação.

Por outro lado, deixar de procurar ajuda por desconhecimento ou acomodação implica em passar por riscos e sofrimentos desnecessários, já que a medicina dispõe de recursos que podem permitir seu tratamento.

O acompanhamento médico é a única forma segura de tratar o hipogonadismo.

Sobre o autor

Redação Tudo Ela

Site focado em publicar conteúdo atual e interessante sobre o universo feminino. Fazemos curadoria e pesquisamos dicas úteis para o dia-a-dia da mulher moderna. Saiba mais sobre nós.