Saúde Sexo

Inseminação artificial: como funciona? Quais os cuidados e riscos?

O sonho da paternidade pode levar o casal a um ato final de amor: a busca da gravidez por inseminação artificial, quando um dos dois não consegue a fecundação por métodos naturais – ou ambos – ou, ainda, em caso de casais homoafetivos.

Não há aqui nenhuma novidade, pois a inseminação artificial é praticada no mundo há mais de um século – a primeira que se tem notícia foi realizada nos Estados Unidos em 1884 e, no Brasil, o método é praticado desde 1970, portanto, há quase meio século.

Procedimento simples, mas, pode falhar

Isso não quer dizer, entretanto, que se trata de alternativa à maternidade livre de riscos ou que seja absolutamente segura. Nem uma coisa, nem outra. Embora seja um procedimento razoavelmente simples, existem riscos, tanto que há a necessidade de acompanhamento médico e exames laboratoriais em ambos os progenitores.

E ainda não é absolutamente segura. A chance de sucesso – ou seja, da mulher engravidar – no primeiro procedimento fica entre 15% e 16% dos casos, isso na primeira tentativa. Quase sempre há a necessidade de uma segunda, terceira e até outras tentativas para que a fecundação seja obtida.

Primeira tentativa pode falhar

Esse alerta dos médicos é importante porque, em boa parte dos casos, o casal já chega ao consultório em estado de desesperança por não ter conseguido a gravidez pelos métodos naturais. A não obtenção da gravidez também pela inseminação, na primeira tentativa, pode levar à frustração e aumentar o desespero, o que afeta o moral dos dois, desaconselhável diante da situação.

Por isso os médicos procuram deixar claro: a gravidez por inseminação é sim aconselhável a casais que não conseguiram chegar à maternidade pelos métodos naturais, mas, não é absolutamente segura na primeira tentativa. Quase sempre há a necessidade de se dar novas chances ao organismo.

Casal precisa de muita tranquilidade

Por isso mesmo há toda uma bateria de exames, tanto no pai, fornecedor do sêmen, mas, principalmente com a mãe. E não pense que a causa da infertilidade é apenas da mulher. A própria OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que a causa principal, em média, é dividida em três partes – quase um terço para a mulher, outro tanto para o homem, cerca de 30% para ambos e aproximadamente 10% não se consegue determinar a causa com exatidão.

Qualquer que seja a situação, entretanto, a ansiedade e a vontade de ter o bebê toma conta do casal e isso pode atrapalhar o trabalho médico. Por isso, uma das preocupações é exatamente passar tranquilidade a ambos, pois quase sempre há uma solução pela via da medicina.

Normal engravidar depois de forma natural

Claro que sempre há aquela solução da adoção, em que o filho vai receber o mesmo carinho e amor. E não são poucos os casos em que, após a adoção, a mulher vem a engravidar, pois superou aquela ansiedade anterior. Os medicamentos que tomou ao iniciar o tratamento antes da inseminação artificial, também, podem ter ajudado na gravidez natural posterior.

Na verdade, na fase inicial do tratamento para a inseminação, a mulher é submetida a muitos exames e toma medicamentos que, em sua maioria, possuem hormônios que visam estimular a ovulação para liberar os óvulos, que são as células que serão fecundadas pelo espermatozoide.

Depois do procedimento, a espera

O momento correto é avaliado pelo médico, após observar o comportamento dos óvulos. Então, ele aplica a última hCG (injeção) à espera da maturação do óvulo, para, no dia julgado correto, fazer a introdução dos espermatozoides. É feita a coleta do sêmen do marido – ou doador -, através de masturbação ali mesmo no consultório.

Trata-se de procedimento que não dura mais de meia hora. O médico faz a introdução dos espermatozoides selecionados via cateter até o útero, próximo aos óvulos, e a mulher deve ficar em descanso por uns 20 minutos. Depois, é só ir para casa à espera do teste de gravidez, que é realizado normalmente uns 15 dias depois.

A ansiedade pelo bebê pode atrapalhar

Além de casais com dificuldades para engravidar por processos naturais, a inseminação artificial também é realizada em casais homoafetivos ou em mulher que opta por uma gravidez independente. Nestes dois casos, há a necessidade de um doador ou que se recorra a um banco de sêmen, em que o doador é desconhecido.

Como já dito, as causas da infertilidade em casais são variadas e podem estar em ambos. Por isso, quando o casal deseja muito ter um bebê e ele não vem mesmo que o casal faça sexo sem proteção de duas a três vezes por semana, há a necessidade da procura por atenção médica. A ansiedade é contraindicada nestes casos.

O custo varia muito a cada clínica

Com a inseminação artificial, são grandes as chances de o casal ganhar gêmeos – até 20% das vezes, mais de um óvulo é fecundado. Outra questão bastante levantada por casais é quanto à esterilidade feminina. A medicina avançou muito nesse sentido e, em boa parte das vezes, também a mulher infértil pode obter a gravidez depois de um tratamento.

O custo é sempre outro aspecto de dificuldade para casais, especialmente para aqueles de menor poder aquisitivo. Depende muito, claro, de cada clínica médica, mas, existem algumas em que o tratamento, para a primeira tentativa, inicia em cerca de R$ 1.500,00, podendo chegar de R$ 4.000,00 a R$ 5.000,00.

Procure decidir antes dos 35 anos

A partir da segunda tentativa, o custo laboratorial e médico costuma ser maior, variando a cada clínica. Por isso, uma boa pesquisa é sempre importante antes de fazer a opção. Em cidades maiores, são sempre muitas as opções de clínicas especializadas em reprodução humana.

No caso de mulheres que já estejam próximas aos 40 anos – acima dos 35 anos -, pode haver um pouco mais de dificuldades para engravidar na primeira tentativa. Por isso, se existir a possibilidade, convém fazer a opção antes de chegar a essa idade.

Prepare-se e viva a vida

Outra coisa importante é a saúde do casal. Boa alimentação e fugir do sedentarismo são duas receitas muito importantes para quem deseja ter filhos. Organismo sadio, com a prática normal de exercícios e caminhadas, é um estímulo importante para o bom funcionamento sexual e à reprodução.

Por isso, à espera dessa boa notícia, largue aquelas práticas inadequadas à saúde, incluindo o mau hábito de fumar. Seu bebê vai agradecer muito. Afinal, se você precisa recorrer à medicina e à inseminação artificial para engravidar, não custa nada dar uma forcinha a mais para que seu filho venha com saúde total. A vida sempre deve vir em primeiro lugar.

8 dicas para ter unhas impecáveis!


/* ]]> */