Maternidade

Ligadura de trompas (ou laqueadura): confira aqui perguntas e respostas

A cirurgia de ligadura das trompas, também chamada de laqueadura, e popularmente apelidada de vasectomia feminina, é uma forma de contracepção cirúrgica. A cirurgia para não ter filhos envolve uma decisão muito séria e importante. Por isso, tirar todas as dúvidas antes de decidir pela ligadura das trompas é essencial.

1. O que é ligadura de trompas ou laqueadura?

A ligadura de trompas ou laqueadura é um tipo de cirurgia voluntária que promove a esterilização da mulher. A esterilização acontece por meio da aplicação de pinças cirúrgicas ou a realização de cortes que vão interromper o fluxo natural das trompas e impedir a fecundação do óvulo pelo espermatozoide.

2. Quando é possível fazer laqueadura na cesariana?

A ligadura de trompas na cesariana não é algo comum e simples. De acordo com a lei não é permitido que a laqueadura seja feita durante a cesariana, exceto nos seguintes casos:

  • quando há comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores: quando a mulher passa por três cesarianas consecutivas, os riscos de rotura uterina são muito altos, por isso, é possível realizar a laqueadura;
  • risco de vida materno em uma futura gestação: em casos de problemas de saúde na mulher, que envolvem doenças no útero, inflamações, entre outros;
  • risco de vida para o futuro neonato (isoimunização, doenças genéticas, etc): se é comprovado que os bebês futuramente gerados podem apresentar problemas sérios de saúde que comprometeriam a qualidade de vida dele.

De qualquer forma, é preciso que a mulher esteja de acordo e ciente do procedimento de laqueadura antes de iniciar a cesariana. Mulheres casadas devem obter o consentimento do cônjuge.

3. Quem pode fazer ligadura de trompas ou laqueadura pelo SUS?

Pode fazer laqueadura ou ligadura das trompas pelo SUS, de maneira gratuita, mulheres com mais de 25 anos e com pelo menos 2 filhos. Mulheres casadas deverão ter o consentimento do marido. No caso de mulheres solteiras ou viúvas, é preciso que uma testemunha confirme o desejo da mulher a se submeter ao procedimento.

Essa decisão é muito importante e deve ser tomada após muita reflexão e análise das consequências, afinal, o SUS não faz cirurgias de reversão da ligadura das trompas.

4. Como devo proceder para fazer o pedido de laqueadura ou ligadura das trompas pelo SUS?

Para realizar a solicitação de laqueadura ou ligadura de trompas pelo SUS, é necessário ir até um posto de saúde (UBS) e fazer o pedido. A candidata à esterilização terá que passar por reuniões de planejamento familiar e será atendida por uma equipe de médicos, psicólogos e outros profissionais.



Depois, é preciso esperar 60 dias. Este tempo é definido por lei e deve ser usado para que a mulher reflita sobre sua decisão. Se a mulher decidir que realmente quer fazer a cirurgia, deve levar um documento oficial que afirme a sua vontade para, então, marcar a cirurgia. Se o pedido for negado, é possível recorrer na justiça.

5. Quem pode fazer laqueadura no convênio ou particular?

Os critérios para fazer laqueadura no convênio médico ou por meio de contratação de equipe médica particular deve obedecer os mesmos critérios aplicados no SUS, pois a Lei 9.263/96 define a regulamentação para todas as mulheres, independente da forma de atendimento (particular, convênio ou SUS).

Para fazer o pedido no convênio ou no particular é preciso consultar um ginecologista e conversar com ele sobre como proceder.

6. Qual a diferença entre ligadura de trompas e laqueadura?

Não existe diferença entre ligadura de trompas e laqueadura. São dois nomes diferentes para o mesmo tipo de método contraceptivo cirúrgico. No entanto, existem tipos diferentes de ligadura de trompas. As variações são de ordem metodológica, ou seja, relacionadas ao tipo de tecnologia e detalhes da cirurgia. Geralmente, portanto, o procedimento é o mesmo.

7. Quais são os efeitos colaterais da laqueadura ou ligadura de trompas?

Os efeitos colaterais relacionados à laqueadura ou ligadura das trompas não são unanimidade entre os médicos. Isso significa que as pesquisas que apontam possíveis afeitos adversos no corpo das mulheres que fazem essa cirurgia são questionadas. De acordo com a revisão de especialistas, há controvérsias sobre esses efeitos negativos. Veja alguns efeitos colaterais e os contrapontos de cada um:

  • alterações menstruais: existem pesquisas que apontam para alterações menstruais após a laqueadura, mas estas alterações podem ser causadas por a interrupção do uso de pílulas anticoncepcionais ou à menopausa, já que muitas mulheres que realizam o procedimento estão em idade suscetível a este desequilíbrio hormonal;
  • maior incidência de histerectomia (cirurgia de retirada do útero) em mulheres que fizeram laqueadura: as causas da necessidade de histerectomia estão relacionadas a doenças uterinas, como miomas, endometriose, câncer no útero, dor pélvica, entre outros e mesmo que haja questionamentos sobre as pesquisas, é preciso considerar que existem evidências de que o número de mulheres que fazem histerectomia após a laqueadura é maior do que entre as que não fizeram laqueadura;
  • alterações na libido: as pesquisas apontam que não há alterações na libido no sentido de diminuição do apetite sexual, na verdade, mulheres que fizeram laqueadura ficam mais tranquilas, menos preocupadas com a possibilidade de engravidar e tendem a ter mais prazer no sexo;
  • gravidez ectópica: existe uma maior probabilidade das mulheres que fizeram laqueadura de terem a gravidez ectópica, que ocorre quando o espermatozoide fecunda o óvulo e o embrião se desenvolve em outro local fora da cavidade uterina, ou seja, se desenvolve na trompa ou no abdômen; esses casos, no entanto, são raríssimos, pois as chances de engravidar depois da laqueadura é de menos de 1%.

8. Laqueadura ou ligadura de trompas engorda?

Essa é outra preocupação em relação a possíveis efeitos colaterais da cirurgia. De acordo com a análise do Dr. Gustavo Ventura, esse é um mito.

A possível causa para o ganho de peso entre as mulheres que fazem o procedimento está mais relacionado, de acordo com o médico, às mudanças no metabolismo das mulheres após os 30 anos de idade.

Conforme o especialista, a maior parte das mulheres que fazem a ligadura estão nessa fase da vida e podem associar o ganho de peso à cirurgia, quando esse sintoma é resultado de uma fase da vida comum a todas as mulheres.

9. Quais são os tipos de laqueadura?

Existem mais de 15 metologias diferentes de como fazer a ligadura das trompas ou laqueadura. Entre elas estão as que mudam a forma de acessar o útero da mulher e as que variam a forma de impedir o fluxo das trompas. Para fazer a laqueadura das trompas, os médicos podem usar:

  • anéis de plástico, que não são absorvidos pelo organismo;
  • pinças de metal cirúrgico, que também não desaparecem do corpo;
  • cauterização, ou seja, queimaduras nas extremidades das trompas que foram cortadas;
  • fios de sutura, geralmente de nylon e que não são absorvidos com facilidade;
  • sten tubário ou essure, que é uma mola de metal que é inserido nas trompas.

Confira os métodos de acesso ao útero:

  • laparotomia: método mais tradicional, em que um corte semelhante ao da cesariana é feito no abdômen da mulher para que o cirurgião consiga ter acesso ao útero;
  • mini-laparotomia: mais comum em mulheres que tiveram filho até dois anos antes da cirurgia, pois o volume maior do útero nestes casos facilita a cirurgia; o corte é feito um pouco acima do púbis e é menos do que na laparotomia;
  • laparoscopia ou videolaparoscopia: pequenas câmeras sã inseridas em furos que o cirurgião faz no abdômen da mulher, a partir das imagens da câmera, o médico faz a intervenção cirúrgica com o mínimo de invasão e menores riscos de infecção;
  • colpotomia: o médico alcança as trompas por meio de um corte no abdômen e acessa as trompas pelo colo do útero; embora cause menos dores e transtornos na recuperação, as chances de infecção são maiores, se comparada à laparoscopia;
  • histeroscopia: realizado sem cortes, esse método é vaginal e acontece por meio da inserção de um aparelho histeroscópico pelo canal vaginal que depositará nas trompas uma mola de metal chamada de sten tubário ou essure; após a aplicação do essure, as trompas irão passar por uma pequena inflamação ao redor do dispositivo e após a ação do sistema imunológico, haverá uma cicatrização que deixará a mulher estéril. O processo de cicatrização pode levar até 3 meses para se concretizar.

10. O essure ou sten tubário foi proibido pela Anvisa?

Sim. Em fevereiro de 2017 o sten tubário, também conhecido pelo nome de essure foi proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. De acordo com a Anvisa, o dispositivo seria responsável por problemas graves de saúde em pacientes nos Estados Unidos e no Canadá. Nestes países, órgãos do governo teriam exigido da fabricante Bayer que revisasse os estudos relacionados aos riscos e efeitos adversos do uso deste produto em suas clientes.

A empresa realizou as pesquisas junto às suas consumidoras usuárias do dispositivo e as apresentou para a Anvisa. Como resultado desta ação, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou novamente a comercialização do essure em julho de 2017.

11. Quem fez ligadura de trompas pode engravidar?

Nenhum método contraceptivo é 100% eficaz. Na realidade, apenas um: deixar de fazer sexo. Mas, se isso não está nos seus planos, é preciso entender que todos os métodos de contracepção podem falhar, inclusive a ligadura ou laqueadura. No entanto, se comparado a outros métodos, a contracepção cirúrgica é muito mais eficaz, pois apresenta 99% de chances de sucesso. Quem fez ligadura das trompas pode engravidar sim, mas é muito raro.

12. A laqueadura ou ligadura de trompas é reversível?

Sim. Existe a possibilidade de reverter a ligadura ou laqueadura. No entanto, as cirurgias de reversão não possuem muita eficácia. As chances de não conseguir recuperar a fertilidade são muito altas.

Um estudo realizado em 2008 com mulheres que fizeram a recanalização após a laqueadura indicou que as chances de engravidar após a reversão da laqueadura foram de 67,6%. O índice de gravidez ectópica nestes casos foi de 5,6%

13. Como é a recuperação da cirurgia de ligadura de trompas ou laqueadura?

Depende muito do método cirúrgico utilizado. É comum em todas as cirurgias que aconteça:

  • sangramento vaginal, por causa da movimentação do útero durante o procedimento;
  • inchaço no abdômen e no estômago;
  • dores nas costas e nos ombros, resultado de acúmulo de gases principalmente durante a laparotomia;

A laparoscopia e a histeroscopia são as de mais rápida recuperação. Vamos ver cada uma delas:

  • laparotomia ou mini-laparotomia: o tempo de recuperação é semelhante ao de uma cesariana, então, recomenda-se repouse absoluto por 40 dias ou mais;
  • videolaparoscopia: o período de repouso varia muito de uma mulher para outra, pode variar de duas semanas a três meses; por isso, siga as orientações de seu médico;
  • colpotomia: o tempo de recuperação e semelhante ao da videolaparoscopia e pode variar de acordo com a saúde da mulher;
  • histeroscopia: é a intervenção com recuperação mais rápida, pois sua realização não implica pausa nas atividades diárias, no entanto, é preciso aguardar até 3 meses para que o efeito contraceptivo comece a agir.

Atenção: sempre siga todas as orientações de seu médico, porque ele conhece seu caso de perto e sabe quais são as condições mais favoráveis para a sua recuperação.

14. Fiz laqueadura ou ligadura de trompas e sinto muitas dores, o que fazer?

Dores intensas e febre são indicação de problemas no pós-operatório. Se você está com muitas dores mesmo tomando o medicamento indicado, procure atendimento médico rapidamente.

15. Quanto tempo depois da laqueadura posso ter relações?

Depende muito da técnica usada na cirurgia. O tempo de resguardo pode variar de duas semanas a 3 meses. Confira:

  • nos casos de cirurgias pouco invasivas, como a videolaparoscopia e a colpotomia em que a ligadura foi feita por pinças, anéis, cauterização e fios de sutura, as relações podem acontecer cerca de 2 semanas após a cirurgia;
  • nos casos em que foi utilizado o essure ou sten tubário, o tempo de abstenção das relações sexuais deve ser de três meses.

Atenção: Consulte sempre seu médico sobre as suas dúvidas e siga todas as orientações do especialista.

16. Há menstruação após a laqueadura ou ligadura das trompas?

Sim. O corpo continua funcionando normalmente. Mesmo que as trompas estejam impossibilitadas de promover a fertilidade, os hormônios continuam atuando e o ciclo menstrual continua normalmente.

Ainda ficou em dúvida sobre alguma coisa? Compartilhe esse post no Facebook, marque nossa página na postagem e coloque sua pergunta. Quem sabe não podemos encontrar um especialista para responder?

Veja também:

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Mariana Mendes

/* ]]> */