Nutrição

Conheça os malefícios do aspartame para a saúde

Apesar de o nome parecer um tanto estranho à primeira vista, ele está bem presente na nossa vida, mais especificamente na nossa alimentação. Conhecido pela denominação “adoçante artificial”, o aspartame é uma substância adocicada – 200 vezes mais que o próprio açúcar, inclusive – presente na maioria dos alimentos lights e diets que consumimos no dia a dia, especialmente refrigerantes, chicletes e biscoitos, por exemplo, e até mesmo em alguns medicamentos.

É por este motivo que as pessoas que seguem uma alimentação balanceada, livre de açúcares, também não estão totalmente imunes a esse mal. Isso porque elas costumam trocar a ingestão do ingrediente pelos adoçantes artificiais e produtos dietéticos, que, apesar de realmente ajudarem em uma diminuição drástica de calorias e, portanto, emagrecerem, podem fazer muito mal à saúde, já se tratam nada menos uma versão ainda mais concentrada da própria substância.

Veja também – Doce veneno: conheça os malefícios do açúcar para bebês e crianças

O assunto acerca dos malefícios do aspartame à saúde ainda é bastante controversa, uma vez que divide opiniões de diferentes cientistas, médicos e estudiosos pelo mundo todo. A polêmica já existe há mais de uma década e, após algumas pesquisas e estudos contra o aspartame indicarem que a substância, que hoje utilizada na fabricação de inúmeros produtos da dieta que compramos no supermercado – pode causar sérios danos ao organismo, está sendo ainda mais difundida.

Especialistas indicam que os problemas ocasionados pelo consumo de aspartame são lentos e silenciosos, na maioria dos casos, mas podem afetar áreas como o cérebro e os rins, trazendo o risco do desenvolvimento de várias doenças graves. Quer saber quais são elas? Então, continue lendo esse artigo até o final e saiba tudo sobre os malefícios do aspartame.

O que é o aspartame?

aspartame-faz-mal

O aspartame é uma substância composta por ácido aspártico, fenilalanina e metanol, que conhecemos de maneira mais próxima na forma de adoçantes artificiais, mas que também é usada na fabricação de vários alimentos, principalmente lights e diets.



O composto foi descoberto acidentalmente pelo químico James Schlatter, em meados de 1965, quando por um acaso o cientista sujou a ponta do dedo indicador com um pó branco desconhecido – até aquele momento. Mais tarde, naquele mesmo dia, Schlatter foi ler um livro e, ao folhear as folhas do exemplar, uma delas ficou presa na outra.

Para soltá-la, ele lambeu a ponta do mesmo dedo para virá-la, quando descobriu o sabor adocicado daquele pó branco, que veio a se chamar o que nós conhecemos hoje por aspartame. Depois disso, a substância passou a ser utilizada na fabricação de uma série de produtos na indústria alimentícia e, até atualmente, após 51 anos da sua descoberta, ainda são controversos os seus efeitos no corpo humano.

Mas, porque ele faz mal?

O grande problema, segundo a maioria dos estudos em torno da substância, é que o aspartame, quando exposto a uma temperatura igual ou maior que 30 graus,  é capaz de transformar o metanol presente em sua composição em ácido fórmico e formol, duas neurotoxinas que provocam a morte celular.

Levando em consideração o fato de o corpo humano possui uma temperatura normal de 36 graus, é possível que, ao ingerirmos a substância, ela faça essa transformação e afete gravemente a saúde, provocando problemas neurológicos e até renais que, se não forem diagnosticados precocemente, podem ser irreversíveis.

É por isso que o aspartame demorou tantos anos para ser liberado pela FDA (Foods and Drugs Administration – Administração dos Alimentos e dos Medicinais), que adiou a sua aprovação até 1981, 20 anos após a sua descoberta, após exames laboratoriais apontarem convulsões e tumores cerebrais em animais.

A substância foi produzida pela Monsanto, a mesma produtora de herbicidas, substâncias transgênicas e também a que desenvolveu o famoso Agente Laranja para a guerra do Vietnã. Com um currículo ruim desses, está explicado porque foi tão demorada a aprovação do aspartame pela FDA, concorda?

No entanto, no ano de 1981, após a troca da diretoria da empresa e, ainda, do presidente dos Estados Unidos, que passou a ser o cargo de Reagan, amigo íntimo da nova equipe à frente da Monsanto, a substância foi aprovada e liberada.

O ácido aspártico presente no aspartame é rico em excitotoxinas que podem causar a morte das células que fazem parte da bainha de mielina das fibras nervosas, causando uma ação deletéria nos neurônios e causando problemas severos.

Quando consumido em forma líquida, o problema tende a ser pior, como no caso de refrigerantes lights e diets. Neste caso, ele pode ser absorvido com muito mais rapidez pelo organismo, aumentando os riscos à saúde.

Quais são os seus malefícios à saúde?

aspartame

  • Dores abdominais;
  • Ataques de ansiedade;
  • Artrite;
  • Asma;
  • Reações asmáticas;
  • Inchaços causados por retenção líquida;
  • Problemas com os níveis de açúcar no sangue (hipoglicemia ou hiperglicemia);
  • Câncer no cérebro (comprovado ainda em estudos em animais antes da aprovação);
  • Dificuldades respiratórias;
  • Ardor nos olhos e na garganta;
  • Ardor nas vias urinárias;
  • Dificuldade de raciocínio lógico;
  • Dores na caixa torácica;
  • Tosse crônica;
  • Afadigamento crônico;
  • Estado de confusão mental;
  • Morte;
  • Depressão;
  • Diarreias;
  • Tonturas;
  • Sede ou fome excessivas;
  • Afadigamento;
  • Distorção da realidade;
  • Avermelhamento do rosto;
  • Perda (calvície) ou adelgaçamento dos cabelos;
  • Dores de cabeça/cefaleias/enxaqueca;
  • Perda da capacidade auditiva;
  • Palpitações;
  • Urticária;
  • Hipertensão (pressão alta);
  • Impotência e outros problemas sexuais;
  • Dificuldade de concentração;
  • Predisposição à infecções;
  • Insônia;
  • Irritabilidade;
  • Pruridos;
  • Dores nas juntas;
  • Laringite;
  • Brancos na memória;
  • Mudanças de personalidade;
  • Perda de memória;
  • Problemas e mudanças no ciclo menstrual;
  • Espasmos musculares;
  • Náuseas e vômitos;
  • Formigamento e dormência das extremidades;
  • Reações alérgicas e similares;
  • Ataques de pânico;
  • Fobias;
  • Redução da memória;
  • Aumento dos batimentos cardíacos;
  • Reações cutâneas;
  • Convulsões;
  • Dificuldade de pronúncia;
  • Dores ao engolir;
  • Taquicardia;
  • Tremores;
  • Tinitus;
  • Vertigens;
  • Perda da vista;
  • Aumento de peso.

Gostou do artigo? Compartilhe!

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Raiane

/* ]]> */