Maternidade

Método Ramzi: é possível descobrir o sexo do bebê no primeiro ultrassom?

A ansiedade para saber o sexo do bebê é algo que acompanha a mãe desde o primeiro momento. Hoje é possível, por meio de um exame de sangue, detectar o sexo do bebê muito cedo com a sexagem fetal. Mas, para quem não quer pagar por este tipo de exame, o jeito é procurar outras formas de descobrir o sexo do bebê.

O mais comum nestes casos são as simpatias para descobrir o sexo do bebê. Tem gente que faz o teste da colher e do garfo, o teste de dar a mão… E há ainda as mães que aguçam a intuição e sentem logo cedo o sexo do bebê, como uma premonição.

Além desses métodos místicos, existe uma teoria recente que está sendo estudada nos Estados Unidos e que promete indicar o sexo do bebê ainda no primeiro ultrassom, aquele realizado com apenas 6 semanas de gestação. Dá pra acreditar?

Esse método é chamado de Método Ranzi e causou muitas controvérsias entre os especialistas da área. Mas, já que você está buscando maneiras de saber o sexo enquanto não chega o momento da ultrassonografia morfológica, vamos explicar para você como descobrir o sexo do bebê com o Método Ramzi passo a passo.

O que é o Método Ramzi?

O Método Ramzi é uma nova forma de identificar o sexo do bebê o mais cedo possível. Por meio da observação da estrutura do útero chamada de vilosidades coriônicas ou da placenta, é possível prever o sexo do bebê.

Originalmente essa teoria foi criada para detectar problemas genéticos que pudessem ser avaliados o quanto antes. No entanto, a possibilidade de averiguar o sexo do feto se espalhou pela internet e criou muito interesse por parte das grávidas cheias de curiosidade. Falaremos mais sobre esses detalhes da origem da teoria mais adiante.



Infelizmente, muita desinformação tem se espalhado pela internet. Algumas pessoas têm divulgado o Método Ramzi como uma avaliação do posicionamento do bebê na barriga ou apenas a observação da localização do corpo lúteo no início da gravidez. Segundo essas especulações, quando o corpo lúteo está no ovário esquerdo, quer dizer que o bebê será um menino, e quando o corpo lúteo  localiza-se no ovário direito, significa que será uma menina.

O método Ramzi, na verdade é uma teoria mais complexa do que isso e exige uma observação atenta do exame ultrassonográfico. Quer saber como fazer? Então confira este passo a passo:

Como usar o Método Ramzi passo a passo

No site The Gender Experts há uma explicação muito bem feita sobre como usar o Método Ramzi para descobrir o sexo do bebê. O texto, entretanto, está em inglês. Então, fizemos uma adaptação desse passo a passo para você saber direitinho como aplicar a Ramzi Theory no seu exame de ultrassonografia.

Antes de mais nada, é preciso ter em mente que o mais seguro é se preparar antes de fazer o primeiro ultrassom e aplicar o método durante o processo. Para quem já fez o primeiro exame ultrassonográfico, o jeito é ver se é possível avaliar por meio do laudo técnico que vem junto com as imagens. Confira:

1. Faça um ultrassom tipo doppler

Os estudos realizados pelo especialista Saad Ramzi Ismail seguiram uma metologia muito específica. Os exames estudados usaram o tipo de ultrassom chamado doppler de fluxo colorido.

Esse tipo de exame existe no Brasil, embora não seja tão comum no início da gestação. Você pode pedir um encaminhamento ao seu médico do convênio para saber se esse tipo de exame é coberto pelo contrato. No caso de consultas particulares, os valores cobrados pelos laboratórios variam muito de uma região para outra.

2. Descubra a posição da placenta

A placenta se forma durante o primeiro trimestre da gestação. Eça será responsável por nutrir e transportar oxigênio para o bebê. Antes que ela esteja completamente formada, o corpo lúteo fica responsável por produzir os hormônios que mantém a gestação. Aos poucos, as chamadas vilosidades coriônicas vão se formando. Essas vilosidades são responsáveis por fazer a conexão entre o útero da gestante e a placenta. De acordo com as vilosidades coriônicas observadas no primeiro ultrassom é possível identificar onde a placenta se fixará.

Segundo a posição das vilosidades coriônicas e, portanto, da placenta futura, o sexo pode ser previsto:

  • placenta do lado esquerdo: será uma menina;
  • placenta do lado direito: será um menino.

Como saber isso? Pois é, só de observar as imagens do ultrassom é difícil para um leigo identificar esses detalhes. Por isso, pergunte ao especialista que está realizando o exame de qual lado estão as vilosidades coriônicas ou a placenta.

3. Procure a área brilhante ao redor do saco gestacional

Se você já fez o primeiro ultrassom e está a caminho de fazer o segundo, ainda é possível identificar com a posição da placenta.

Para isso, basta observar a área brilhante ao redor do saco gestacional. O saco gestacional é onde está o embrião. No ultrassom, é possível identificar uma área mais brilhante próximo a ele. Essas são as vilosidades coriônicas junto com a placenta em formação ou já formada, que ficam mais claras por causa da circulação sanguínea intensa.

Se o ultrassom já está pronto aí na sua casa, dá uma olhada no parecer técnico, pois geralmente vem escrito a posição da placenta.

4. Imagem espelhada

Sabe quando você fez um stories no Instagram e a imagem fica invertida? Segundo alguns especialistas, as imagens de ultrassom podem ser invertidas da mesma forma. De acordo com o The Gender Experts, existe a suspeita de que as imagens do ultrassom transvaginal são iguais e as do ultrassom abdominal são espelhadas.

Apenas observar as imagens, então, não ajuda muita coisa… Diante dessa polêmica, o melhor mesmo é confiar no especialista, porque ele sabe como funciona a máquina usada para o exame (ou deveria saber). Dessa forma, a orientação continua a mesma: pergunte para o profissional que está aplicando o exame ou veja as descrições técnicas escritas no laudo.

O Método Ramzi funciona mesmo?

A pesquisa que deu origem a método Ramzi foi orientada por Saad Ramzi Ismail. Realizada nos Estados Unidos entre 1997 e 2007, a pesquisa foi feita da seguinte maneira:

  • 5 mil grávidas fizeram um exame ultrassonográfico com 6 semanas de gestação;
  • 22% delas fizeram o ultrassom transvaginal e 78% o ultrassom abdominal;
  • depois, quando estavam com 18 a 20 semanas de gestação, o exame foi repetido para constatar e sexo do bebê;
  • após o nascimento, o sexo dos bebês foi confirmado.

O resultado da pesquisa diz que 97,2% das crianças do sexo masculino tiveram a placenta implantada ao lado esquerdo do útero, enquanto que 97,5% dos bebês do sexo feminino tiveram implantação da placenta do lado direito do útero.

Problemas do método Ramzi

 O principal problema do estudo realizado por Ramzi é que ele não é considerado confiável. Seu artigo foi publicado numa plataforma que não conta com a avaliação criteriosa de outros especialistas.

1. Não é uma pesquisa “séria”

Revistas científicas renomadas e respeitadas pela opinião pública geralmente submetem as pesquisas a uma revisão chamada revisão por pares. Como a pesquisa de Ramzi não passou por essa supervisão, não é considerada uma pesquisa “séria” para a comunidade científica.

2. Doutor Ramzi? Mais ou menos

Outro ponto preocupante é que muitas das fontes que divulgam o Método Ramzi chamam o pesquisador de Doutor Ramzi. Isso dá a entender que ele é médico, não dá? Acontece que ele não é. Saad Ramzi Ismail, criador do método Ramzi, na realidade possui um PhD em Saúde Pública e um Mestrado em Ultrassonografia Médica.

3. Quem escreveu o artigo, afinal?

A página onde o trabalho foi publicado originalmente não está mais disponível. Encontramos um outro site que apresenta o estudo. Uma dos detalhes que mais chamam a atenção é a ausência do nome dos autores no pesquisa. Além de não indicar quem fez a pesquisa, também não é possível identificar a instituição que promoveu esse estudo.

4. Boas intenções

Em 2014, o blog Bottle Soup publicou uma resposta de Saad Ramzi Ismail a um artigo criticando o Método Ramzi. De acordo com o autor do estudo, seu objetivo era detectar o sexo do bebê o quanto antes para prevenir problemas genéticos específicos de cada sexo, especialmente um problema genético chamado Síndrome de Klinefelter.

Sua intenção nunca foi criar uma maneira de grávidas matarem sua curiosidade apenas. Em sua resposta ele ainda comenta o problema dos exames de ultrassom não mostrarem imagens corretas para afirmar o lado em que a placenta está.

Bem, confiável ou não, se você puder saber a localização da sua placenta, não custa nada usar o Método Ramzi, não é?

O que você achou dessa história toda? Compartilhe nas redes sociais esse artigo e escreva sua opinião! E não esqueça de marcar nossa página, ok?

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Mariana Mendes

/* ]]> */