Beleza Cabelos

Tipos de hidróxidos usados no alisamento ou relaxamento capilar

Você ama o efeito liso, mas, infelizmente, não teve a sorte de vir ao mundo com fios naturalmente escorridos? Então, senta aí, bonita, pois esse post é para você!

Provavelmente, se ter madeixas lisinhas, retas e brilhosas é um dos seus maiores sonhos, você já deve ter ouvido falar ou até experimentado algum dos inúmeros tipos de alisamentos ou relaxamentos capilares disponíveis no mercado de beleza, que tomaram a cabeça da mulherada – literalmente – desde meados dos anos 2000.

Popularmente conhecidos como escovas progressivas, os alisamentos químicos caíram no gosto das vaidosas que precisam não abrem mão da praticidade, elegância e sensualidade dos cabelos alisados, além de economizarem tempo na frente do espelho tentando disciplinar os fios rebeldes.

Para isso, esses procedimentos feitos no salão de beleza contam com algumas substâncias químicas capazes de alterar a estrutura da fibra capilar, de acordo com cada tipo de cabelo, e, portanto, conduzir a transformação tão desejada no visual.

A mais conhecida delas é o famoso formol. No entanto, depois que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu o uso do ativo em produtos e procedimentos para alisar e relaxar o cabelo, já que pode prejudicar a saúde e até causar a morte, outros compostos químicos passaram a substituí-lo nos serviços de embelezamento capilar, como é o caso do tioglicolato de amônia e da carbocisteína, que você já conheceu melhor em outros artigos aqui no blog.

Veja também: Gluturaldeído no cabelo: conheça os perigos desse ativo no alisamento dos fios

Os nomes são complicados, mas os efeitos são eficientes e amplamente procurados por diversas vaidosas no mercado beauté. Porém, para além deles, há também uma família bastante conhecida entre as mulheres de cabelos cacheados ou crespos quando o assunto é alisar e relaxar os fios: os hidróxidos.



Capazes de desestruturar as cadeias internas dos fios, alterando a sua textura para um formato liso ou ondulado mais leve, os hidróxidos podem ter várias versões, o que significa que a sua aplicação e efeito vai depender dos tipos capilares nos quais eles serão usados.

Quer saber quais são os tipos de hidróxidos usados no alisamento ou relaxamento do cabelo? Então, vem comigo!

O que são hidróxidos?

Os hidróxidos são compostos químicos à base de soda cáustica capazes de alterar a estrutura da fibra capilar e, portanto, modificar o formato e textura do cabelo. Apesar de terem inúmeras versões, a mais conhecida delas é o hidróxido de guanidina, que mistura hidróxido de cálcio e carbonato de guanidina para alisar ou relaxar cabelos cacheados e crespos. Com grande eficiência, não é à toa que ela é favorita das cacheadas e crespas de plantão que adoram se aventurar nos fios alisados!

Mas, o que muitas delas não sabem é que, diferente dos procedimentos químicos à base de tioglicolato de amônia, como os hidróxidos agem quebrando as cadeias químicas do cabelo, os alisamentos feitos a partir desse ativo químico muda definitivamente a estrutura dos fios e, portanto, tem efeito irreversível. Sendo assim, se você é uma vaidosas das mais indecisas, não aposte em tratamentos com esse elemento!

Além disso, para cada tipo capilar há um tipo de hidróxido que pode ser aplicado nos fios para conseguir a transformação no visual de fios rebeldes para lisinhos e perfeitos. Os principais deles são: hidróxido de sódio, hidróxido de lítiohidróxido de cálcio hidróxido de potássio.

Tipos de hidróxidos usados no cabelo

Todas essas substâncias possuem aprovação da Anvisa para estarem presentes nas formulações de produtos e marcas cosméticas. O que elas têm em comum? Alisam o cabelo. Por outro lado, é importante entender para que serve cada uma das versões de hidróxidos e diferenciar como elas são aplicadas em cada caso.

Os alisantes com sais metálicos podem conter ou não soda. Aqueles que contêm soda são os hidróxidos de sódio e de potássio, que podem servir de ajuda para proteger o couro cabeludo – ou não. Neste caso, se você tiver um baixa oleosidade nessa região e, consequentemente, um alto poder irritante, precisa de uma base. Se não, ela pode ser dispensada.

Enquanto isso, os hidróxidos que não possuem soda, como é o caso do de cálcio e do de lítio, podem misturados ou não. O hidróxido de lítio, por exemplo, é usado, na maioria dos casos, sem mistura, podendo necessitar ou não de base. Já o hidróxido de cálcio tem a necessidade de ser misturado com um ativador, que pode ser o hidróxido de magnésio ou o carbonato de guanidina.

Confira, a seguir, como agem cada um dos tipos de hidróxidos usados no cabelo:

Hidróxido de sódio

Este tipo de hidróxido nada mais é que a soda cáustica propriamente dita. Por isso, se comparado aos demais, o hidróxido de sódio tem uma ação mais rápida e forte nos fios, promovendo um alisamento intenso, já que possui um pH mais alcalino. Por agir mais rapidamente, o tempo para deixá-lo no cabelo recomenda-se que a sua aplicação seja feita apenas por um profissional qualificado e experiente.

Isso porque, ao passar mais que o tempo desejado nos fios, a substância pode causar queimaduras, quebra do fio, cegueira e irritações no couro cabeludo. Além disso, pode deixar o cabelo “espetado” facilmente, já que uma questão de segundos pode fazer toda a diferença na hora de manusear esse tipo de produto.

O uso do hidróxido de sódio em alisamentos ou relaxamentos químicos é mais indicado para quem tem cabelos virgens ou lisos, que tendem a ser mais resistentes que os demais tipos capilares.

Hidróxido de guanidina (ou hidróxido de cálcio)

hidróxido de cálcio possui o mesmo princípio do hidróxido de sódio, só que com uma reação menos potente e tempo de ação mais lento. Ainda, diferente deste último, ele precisa ser misturado ao carbonato de guanidina, resultando, então, no hidróxido de guanidina, um dos alisantes mais versáteis e bastante procurado por mulheres de cabelos cacheados ou crespos.

O seu efeito pode ser obtido desde um relaxamento suave dos cachos até um alisamento total, o que vai depender do tipo de fio e da quantidade de guanidina utilizada, que pode ser suave, normal ou fraca. A dosagem também vai depender do objetivo de cada mulher: madeixas super lisas ou apenas amaciadas.

Vale lembrar que qualquer descuido é um risco a mais para o cabelo! Doses exageradas do hidróxido de cálciopode fazer o cabelo ressecar e quebrar.O lado bom é que, por ter ação mais lenta, se comparado aos demais tipos de hidróxidos, ele é relativamente mais seguro, sendo bastante recomendado para fios sensíveis e, também, para crianças.

E se o seu ranço é do cheiro desses alisantes capilares, a boa notícia é que a guanidina também não tem nenhum odor desagradável.

Hidróxido de lítio

Já o hidróxido de lítio é mais suave e tem ação mais lenta, se comparado ao hidróxido de sódio. No entanto, a diferença em relação a este último é que ele não é muito versátil, sendo mais recomendado para cabelos muito crespos (afros) e sem coloração.

Na realidade, essa substância química pode até ser aplicada em fios descoloridos e com mechas, desde que em quantidades baixas e pelas mãos de um profissional de beleza experiente. Para melhores resultados e a fim de evitar quaisquer erros na aplicação desse composto, a indicação é fazer um teste de mechas e, antes disso, uma avaliação e diagnóstico da saúde dos fios junto ao cabeleireiro.

Hidróxido de potássio

Por último, o hidróxido de potássio, também chamado de potassa cáustica, é um dos hidróxidos com ação mais potente e rápida, o que significa que ele pode promover o alisamento capilar de forma intensa e eficiente. Por outro lado, se houver a ultrapassagem do tempo de aplicação indicado, há maiores riscos de causar irritações na pele, inclusive no couro cabeludo.

Ainda, qualquer pausa superior à recomendada pode resultar também na queda e quebra imediata dos fios, problema que conhecemos mais popularmente como “corte químico”.

Como cuidar dos fios ao usar os hidróxidos?

Como os hidróxidos atuam na quebra das cadeias dos fios e torna o cabelo ressecado, após os procedimentos de alisamento ou relaxamento capilar, será necessário caprichar nas hidratações em casa ou, pelo menos a cada 15 dias, em um salão de beleza.

Veja também:Como hidratar o cabelo corretamente em casa? Aprenda passo a passo

Em casa, o tratamento hidratante deve ser feito semanalmente, para repor a umidade (água) perdida pela fibra capilar por conta do pH alcalino (ácido) dessas substâncias químicas. Além disso, antes de aplicá-las nos seus fios, o ideal é fazer um teste de mechas para saber o tempo exato da aplicação do hidróxido ideal para você e como ele reagirá nas suas madeixas.

E tem mais! Ao fim do procedimento, é preciso ter cuidado para não molhar as madeixas antes do tempo, uma vez que para o creme agir corretamente e promover o alisamento, os fios precisam estar secos, antes e durante a aplicação.

Depois, o produto precisa ser completamente removido das madeixas e, para aumentar essa certeza, a boa notícia é que já existem no mercado de beleza vários shampoos indicativos, que têm a função de mudar de cor quando há indícios de restos de químicas ainda nos fios. Fica a dica!

E aí? Gostou de saber tudo sobre os tipos de hidróxidos usados em alisamentos e relaxamentos capilares? Conhece alguém que também precisa ver essa informação? Então, não deixe de compartilhar esse artigo nas suas redes sociais!

Até a próxima!

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Raiane

/* ]]> */