Cabelos

Transplante capilar: saiba tudo sobre o procedimento

Considerado como uma das melhores estratégias contra a calvície, o transplante capilar é uma técnica que desperta interesse e curiosidade entre homens e mulheres que sofrem com este problema.

As técnicas de transplante capilar têm evoluído constantemente e seus resultados tem deixado satisfeitos milhares de pessoas que antes não se sentiam bem com sua aparência e seus cabelos.

É importante lembrar que somente um cirurgião dermatológico está habilitado para analisar a situação do paciente e para realizar com segurança este procedimento cirúrgico. Portanto, antes de se deixar seduzir por promessas de preços baixos e resultados milagrosos, procure um médico especializado para obter uma opinião profissional que garanta sua saúde e sua estética.

Diferença entre transplante e implante capilar

Apesar de serem dados, erroneamente, como sinônimos os dois termos não significam a mesma coisa em razão do tipo de cabelo que é utilizado no procedimento.

No transplante capilar a pessoa recebe cabelo dela mesma, já a técnica de implante consiste em inserir fios de cabelos artificiais no couro cabeludo da pessoa receptadora. Existe ainda, uma terceira técnica que consiste na transferência de cabelo entre duas pessoas, entretanto, este procedimento não é muito utilizado em razão da alta frequência de rejeição.

Indicações para o transplante capilar

Quando pensamos em transplante capilar logo associamos esta técnica com a busca por resolver problemas de calvície. Apesar de este ser o principal motivo de transplantes existem outras indicações para os quais o transplante também é indicado.

Pessoas que passaram por algum tipo de cirurgia na qual houve a necessidade de retirada dos cabelos e que a recuperação dos fios será difícil podem se beneficiar do transplante capilar para terem novamente cabelos e a autoestima restaurados.

Acidentes e queimaduras são duas outras causas muito comuns que levam pacientes a necessitarem de um transplante capilar que traga novamente à estas pessoas a estética e a autoconfiança proporcionada pelos cabelos transplantados.

Alguns tipos de doenças também podem causar a perda de cabelos. Um exemplo é a alopecia que causa a perda repentina e rápida de grande quantidade de cabelo. Nestes casos a indicação por um transplante pode ser a solução deste problema.

Para que seja indicado o transplante capilar é necessário que um médico ateste as boas condições de saúde do paciente e que a pessoa possua cabelos suficientes, na região doadora, para realizar o transplante.

Como é o pré-operatório para o transplante capilar

Logo após conversar com o paciente e avaliar as condições para o transplante o médico solicita que o paciente realize alguns exames para atestar suas condições de saúde. Na maioria dos casos os exames pedidos são hemograma, ecocardiograma e raio x da região do tórax. Dependendo do médico, podem ser solicitados outros exames.

Tendo conferido os exames e atestado que o paciente possui boas condições de saúde é chegado o momento de o médico orientar quanto aos cuidados que devem ser tomados nos dias anteriores à cirurgia.

Não ingerir bebidas alcoólicas, não fumar, não beber café e nem fazer uso de medicamentos como aspirina e anti-inflamatórios são as recomendações mais comuns para se cuidar dos cabelos antes da cirurgia. É comum também que o médico peça para o paciente cortar os cabelos e lavar cuidadosamente os fios e o couro cabeludo nos dias que antecederem a cirurgia.

Como é realizado o transplante capilar

O procedimento cirúrgico de transplante capilar costuma durar entre 2 e 12 horas, o tempo vai variar dependendo do tamanho da região que será feito o transplante e também da técnica escolhida pelo cirurgião dermatológico.

As duas principais técnicas de transplante capilar atualmente respondem por meio de duas siglas FUE (Extração de Unidade Folicular) e FUT (Transplante de Unidade Folicular). O médico vai optar por uma estratégia ou outra dependendo do tamanho da região afetada e pelas características do paciente.

O procedimento FUE é indicado para transplantar os cabelos em pequenas regiões do couro cabeludo. Nesta técnica os folículos capilares são retirados um de cada vez e transplantados no couro cabeludo. Este tipo de procedimento é muito utilizado em virtude de seus benefícios: rápido, mais barato, cicatriza mais rápido e as marcas da cirurgia pouco aparecem.

Já na técnica FUT o cirurgião retira uma faixa do couro cabeludo, geralmente da parte da nuca, e deste pedaço são retirados folículos que serão transplantados para pequenos furos que serão feitos no couro cabeludo. Este procedimento é rápido e relativamente barato, porém suas principais desvantagens são o maior tempo de repouso exigido e as cicatrizes que são mais visíveis.

Pós-operatório do transplante capilar

Quando realizado em condições adequadas e por um médico especialista, o procedimento de transplante capilar não costuma resultar em grandes esforços de recuperação no período pós-operatório.

Apesar de mínimos ainda existem alguns riscos neste tipo de procedimento como eu qualquer outra forma de cirurgia. Sangramentos, infecções e rejeição dos folículos transplantados são os riscos mais comuns. A ocorrência ou não destes efeitos colaterais vai depender de vários fatores como a saúde do paciente, a técnica utilizada e a perícia do médico cirurgião.

As principais recomendações são de que se evite expor ao sol a região que recebeu o transplante e que se lave a cabeça pelo menos três vezes ao dia com o shampoo que o médico indicar.

A falta de sensibilidade na região transplantada é a principal reclamação dos pacientes que se submetem a este tipo de tratamento, porém gradativamente o couro cabeludo vai restabelecendo a percepção na pele. Em alguns casos, os pacientes relatam alguma dor de cabeça na medida em que a sensibilidade volta, porém isto é rapidamente resolvido com a utilização dos medicamentos que o médico prescreve.

O tempo de repouso após o procedimento varia dependendo das condições do paciente e também da técnica utilizada. Dez dias após o procedimento é o tempo médio que as pessoas que se submetem a técnica FUE precisam para se recuperarem e voltarem a sua rotina. Já a recuperação após a cirurgia com a técnica FUT é muito mais lenta e em alguns casos o paciente somente estará liberado para realizar atividades como esportes após um período que pode variar entre 03 e 10 meses.

Sobre o autor

Redação Tudo Ela

Site focado em publicar conteúdo atual e interessante sobre o universo feminino. Fazemos curadoria e pesquisamos dicas úteis para o dia-a-dia da mulher moderna. Saiba mais sobre nós.