Doenças Saúde

Vitiligo: confira 11 questões essenciais sobre a doença

Vitiligo é uma doença de pele crônica e rara. Viver nessa condição causa problemas de autoestima e aceitação. A divulgação da doença, suas características e o fato de não ser contagiosa é muito importante. Familiares e amigos devem se informar para dar apoio e encorajamento ao portador de vitiligo.

1. O que é vitiligo?

Vitiligo é uma doença crônica de pele sem causa conhecida pela medicina. Caracteriza-se pela formação de manchas na pele com ausência de pigmento. É considerada uma doença rara, acomete cerca de 1% da população, em proporção igual entre homens e mulheres. Manifesta-se entre os 10 e os 30 anos de idade. Possui origens genéticas.

2. Quais são as causas?

Não existe uma causa conhecida para essa doença. Sabe-se como ela funciona: as manchas claras são causadas pela falta de melanócitos, responsáveis pela pigmentação da pele.

3. Quais são os sintomas?

A principal característica da doença é o aparecimento de manchas claras na pele. A região não apresenta lesões nem machucados, apenas a falta de coloração da área. As regiões afetadas da pele são mais sensíveis aos raios solares e em alguns casos podem apresentar irritação ou coceira. Os sintomas psicológicos estão relacionados à autoestima. É comum que os portadores de vitiligo também apresentem doenças auto-imunes relacionadas, como problemas de tireoide, diabete mellitus e alopecia areata, por exemplo.

4. Quais fatores podem aumentar as manchas?

Alguns fatores podem contribuir para o aumento das áreas afetadas:

  • estresse físico e emocional;
  • traumas mecânicos, ou seja, roupas apertadas ou qualquer outra coisa que cause atrito na pele;
  • substâncias químicas a base de fenol, que posem estar em muitos produtos, desde móveis e eletrodomésticos até cosméticos e perfumes.

5. Como é a relação entre o emocional e a doença?

Alguns fatores podem desencadear a doença em pessoas que possuem predisposição ou acelerar seu desenvolvimento. O estresse emocional é um desses fatores, que deve ser controlado, principalmente com acompanhamento espacializado.

6. Vitiligo tem cura?

Não existe uma cura para vitiligo. No entanto, existem opções de tratamentos que dependerão da extensão da doença, da cor da pele e da avaliação psicológica do paciente. A maior parte dos tratamentos estão relacionados a tentativa de igualar o tom da pele e evitar que as manchas se espalhem. A escolha do tratamento deve considerar  as doenças relacionadas que acometem o portador de vitiligo.



7. Como é o tratamento para vitiligo?

Entre os tipos de tratamento conhecidos estão:

  • medicamentos tópicos, ou seja, para passar na pele;
  • terapias que usam laser e outras modalidades de fototerapia;
  • intervenções cirúrgicas, como minienxerto, transplante de célula epidérmica, camuflagem e despigmentação.

8. Vitiligo é contagioso?

Não, vitiligo é uma condição de saúde que não pode ser transmitida por contato físico de nenhuma ordem.

9. Vitiligo é hereditário?

Vitiligo possui origens genéticas, no entanto não existem estudos científicos que comprovem sua hereditariedade.

10. Existem tipos diferentes de vitiligo?

As classificações médicas do vitiligo elencam alguns subtipos da doença de acordo com a extensão e a localização das manchas. Veja os tipos de vitiligo:

  • focal: apresenta uma ou mais manchas numa única região;
  • segmentar unilateral: atinge uma parte do corpo,  principalmente na juventude;
  • acrofacial: caracterizada por manchas no rosto, pescoço, proeminências ósseas das mãos, pernas, axilas e das mucosas;
  • segmentar bilateral: atinge os dois lados do corpo igualmente, por exemplo, as duas mãos, os dois joelhos, etc.

11. Exitem grupos de apoio para portadores de vitiligo?

A Associação de Apoio a Pessoas com Psoríase e Vitiligo traz informações importantes aos portadores dessas doenças e pode servir como uma forma de acolhimento. Também existem vários grupos no Facebook para quem possui vitiligo, como o Vitiligo Brasil. No blog Minha Segunda Pele é possível encontrar muitas informações relevantes sobre a experiência de quem possui a doença.

Veja também:

Videos do nosso Canal no Youtube

Sobre o autor

Mariana Mendes

/* ]]> */